VOCÊ ESTÁ LENDO >> Bem-estar é a palavra de ordem para consumidor de luxo
POR Karlos Ferrera | 11 de fevereiro

O luxo ganha outros sentidos e recebe valorização de atitude em prol do meio ambiente e do tempo escasso

O comportamento do consumidor de luxo vem mudando e não é de hoje. Na verdade, ele vem passando por uma (re) evolução. Se antes o luxo estava totalmente atrelado à ostentação, ao excesso e representatividade óbvia de muitas cifras, atualmente tais credenciais ficaram mais do que datadas e hoje o cliente desse universo assume um direcional mais consciente e está totalmente ligado a sensações e experiências únicas e muito personalizadas. Vai além dos produtos que podem trazer esse ou aquele conforto, ou o de se identificar com essa ou aquela classe. As razões para escolher um produto de luxo vão além dos atributos tangíveis e perceptíveis. O que se deseja é aquilo que os olhos não vêm ou aquilo que precisa de uma força das sensações para ter valor.  Explicaremos.

Clientes que consomem desejam muito mais que comprar, eles querem diversos diferenciados que ofereçam sensações e conforto. Ter vivências, sensações, prazeres. É um consumo emocional. O consumidor contemporâneo está mais preocupado com o seu bem-estar no sentido literal do que essa palavra pode significar. É o que mostra uma pesquisa recente do Euromonitor, maior empresa em pesquisa de estratégia para mercados consumidores do mundo ao lado do site Business of Fashion, uma das maiores fontes de notícias ligadas ao mundo da moda.

O novo luxo  tem como premissa a busca de uma existência mais simples e, portanto, sem ostentação. A palavra “luxo” ganha outros sentidos e, agora, reúne características como valorização de atitude em prol do meio ambiente, utilização do tempo escasso, tranquilidade, segurança, conforto, praticidade, qualidade de vida, respeito à diversidade cultural, compromisso social e lazer com propostas sensoriais e experiências que vão ficar na memória.

UM NOVO JEITO DE AGRADAR: DELIVERY COM FOCO NO BEM_ESTAR
As marcas vêm aprimorando o serviço de delivery, mas (atenção!) agora com um novo jeito de fazê-lo. Sem grandes compromissos, as empresas entregam roupas e acessórios onde o cliente desejar para que ele prove com tranquilidade e devolva o que não quiser comprar. “Hoje em dia o luxo é relativo. Cada indivíduo o vê a seu modo. Para um sobrecarregado presidente de uma empresa, luxo é o tempo”, explicou Fflur Roberts, executiva de bens de luxo da Euromonitor. A alternativa serve como boa opção para entender a clientes cada vez mais ocupados e sem tempo para ir até uma loja física e que também não gostam de fazer compras usando o e-commerce.

Conforto e tempo: marcas entregam roupas onde o cliente deseja e ele escolha com quais peças quer ficar.

Os novos consumidores querem experiências transformadoras e de acordo com o estilo de vida que têm. E não mais ostentar com coisas materiais. Hoje, o que está na cabeça das pessoas é o bem-estar, a tal qualidade de vida”, afirma a executiva de bens de consumo de luxo da Euromonitor,  Fflur Roberts.

Diversos especialistas da área foram unânimes em mencionar o tempo como o bem mais escasso da atualidade. Luxo, nos dias atuais, é ter tempo para si próprio, é poder descansar em lugares tranquilos e confortáveis, é poder usufruir e qualidade de vida.
Sendo assim, pode-se perceber que os artigos de luxo possuem diversos níveis de valores e significados, que variam de acordo com o tempo e a sociedade, já que todos os significados de um objeto resultam da intencionalidade humana.

 

 



ESCRITO POR Karlos Ferrera

COMPARTILHAR

COMENTÁRIOS

LEIA MAIS EM Trends & Insights

10 de fevereiro

Beleza masculina: o mercado que só cresce

Muito mais vaidoso que seus antepassados, o homem do século 21 é marcado principalmente pelo...

por Karlos Ferrera
20 de abril

SXSW 2019: um report para quem deseja entender o evento

Fique por dentro dos insigths que permearam um dos maiores eventos de inovação e tecnologia

por Nathalia Cunha
17 de junho

Vogue América: relatos de racismo e falta de diversidade

A lendária editora-chefe da Vogue americana, Anna Wintour, está envolvida em relatos de discriminação e...

por Ivan Reis
17 de agosto

O homem contemporâneo segundo Mário Queiroz

Análise de imagem: o professor e designer explica as transformações na moda masculina hoje

por Ivan Reis

ÚLTIMAS POSTAGENS

Arraste para o lado
20 de dezembro

Projeto 19M da Chanel: o fortalecimento do luxo

Com nova CEO na casa e inauguração oficial do projeto, a grife francesa promete enaltecer o artesanato de moda de luxo

por Júlia Vilaça
9 de dezembro

Jornalismo de Moda: e se a autora Clarice Lispector fosse capa da Vogue?

No mês que Clarice Lispector faria 100 anos, conheça a relação da escritora com o jornalismo de moda

por Ivan Reis
28 de agosto

Figurino do filme ‘Spencer’: o papel das marcas de moda no cinema

Filme sobre Lady Di traz figurino assinado por Chanel e mostra o poder das marcas nas narrativas em torno de biografias

por Carol Hossni
17 de agosto

O homem contemporâneo segundo Mário Queiroz

Análise de imagem: o professor e designer explica as transformações na moda masculina hoje

por Ivan Reis
10 de agosto

Vida em detalhes: na fila da vacina, vista sua esperança

Enquanto esperar é a única coisa que nos resta, as roupas moldam a cena de um futuro próxima que desejamos ter

por Ivan Reis
10 de agosto

Belly Palma: “Posso fazer o que eu quiser e do meu jeito”

Influência ativista na internet: Izabelle Palma é a nova voz quando se fala em moda, diversidade e inclusão no Brasil

por Ivan Reis
11 de junho

Moda e woke-washing: a mercantilização do corpo preto em um novo patamar

Jornalista Viviane Rocha relata o sequestro da humanidade das pessoas pretas

por Viviane Rocha
9 de junho

Semiótica da moda: análise do filme “Disturbing Beauty”, da Dior

Semioticista Clotilde Perez analisa os significados da beleza no novo filme da Dior

por Clotilde Perez