VOCÊ ESTÁ LENDO >> Moda e woke-washing: a mercantilização do corpo preto em um novo patamar
POR Viviane Rocha | 11 de junho

Jornalista Viviane Rocha relata o sequestro da humanidade das pessoas pretas

Se você vive no Brasil e acompanha o noticiário e as redes sociais, escutou durante toda a quarta-feira, 9/6, o nome de Kathlen Romeu, 24 anos, grávida, e morta numa ação policial em Lins de Vasconcelos, Rio de Janeiro, na terça-feira, 8/6. Não vou me apegar à carnificina da história porque tenho colegas em centenas de redações fazendo isso. Hoje quero conversar sobre a desumanização secular da vida preta que ganhou um capítulo ainda mais revoltante.

Foto: Rolande | Unplash

Depois dessa introdução e antes de todo o resto, sou Viviane Rocha, mineira, 36 anos, preta, pobre, periférica, jornalista há quase 13 anos e consultora de imagem e estilo. Uma mulher exausta de assistir e fugir do genocídio do povo preto e do sequestro da nossa subjetividade.

Ainda anestesiada de sono e furiosa com mais uma ação desastrosa de alguns operadores da linha de frente da segurança pública, que preciso lembrar, também são pretos e pobres na maioria das vezes, fui acompanhar a repercussão do caso na mídia. Descobri que a design de interiores Kathlen, lindíssima, era funcionária de uma famosa e seleta grife carioca na manhã da quarta-feira, dia seguinte ao ocorrido.

Ingênua, fui ao Instagram da marca e pensei que seria apenas uma nota de pesar protocolar e me deparei com a hashtag #JustiçaPorKathlen numa tela preta, mas o horror estava na legenda. A arte foi usada para promover um cupom de desconto no código da falecida vendedora enfatizando que a comissão das vendas seria destinada para sua família. Foi um espetáculo comercial com a morte de uma jovem que teve a vida interrompida pelo racismo institucional do Estado. Famílias pretas não podem nem viver o luto sem sofrer várias outras agressões em seguida!

Após horas em silêncio e de uma enxurrada de críticas, os administradores da página editaram a legenda, fizeram um pedido de desculpas e desativaram o cupom.  Tudo frio e desumanizado. Ficou por conta de Carolina Sodré, mulher preta, historiadora e especialista de diversidade que trabalha na empresa, a missão de apagar esse incêndio publicamente.

Carolina, não sei o que aconteceu nos bastidores até essa decisão ser tomada. Quero acreditar profundamente que, enquanto uma profissional preta que ocupa posição de destaque numa grande marca de moda, você tenha lutado contra esse posicionamento. Vi que você se colocou como parte do erro e tem segurado o rojão. Mas não desculpo os profissionais (tenho quase certeza que brancos e alheios à nossa luta) que aprovaram essa aberração, que possam ter ignorado suas colocações ou talvez nem te consultaram. Creio que você está muito chateada com tudo o que está acontecendo. Quando um ou uma de nós é arrancada da vida, morremos um pouco junto também. É assim que me sinto toda vez que um dos nossos se vai dessa forma nefasta.

Foto: Mika Baumeisyer | Unplash

Lutamos pelo direito à vida plena, condição que nos foi arrancada pela escravidão e suas sequelas sociais. Séculos se passaram e as pessoas pretas continuam sendo vistas como corpos para a exploração laboral, para a recreação sexual, para a violência gratuita e encarceramento em massa num sistema punitivista e viciado em nos criminalizar.

Vender roupas e recolher a comissão minúscula da funcionária  grávida assassinada  pelo Estado para fazer caridade pública é imoral e insensível. A sociedade brasileira perdeu, a família perdeu e Kathlen perdeu duas vidas.

Contudo, o capitalismo nunca perde. Desde o ano passado a luta antirracista virou mercadoria e se juntou à mercantilização de nossa estética e corpos. Quando mulheres e homens pretos falavam da transição capilar mais de uma década atrás, as empresas abraçaram o movimento em busca de lucratividade. O mesmo aconteceu com as companhias de maquiagem. A condição de mercadoria é perene e a de consumidor para nós é condicional. Nessas empresas somos a mão de obra barata e na maioria das vezes quem não consome o que produz. Muitos de nós temos formação e competência para ocupar cargos em grandes empresas para que erros como esse não aconteçam. No entanto, o sistema não deseja que cheguemos lá.

Temos sentimentos, dores, vontades, afetos e sonhos. Kathlen estava amando, ganhando espaços nas redes sociais, queria ser modelo, estava economicamente ativa e seria mãe em breve. Um tiro apagou a vida de uma jovem e impôs um sentimento de luto e revolta numa família. O mesmo aconteceu dias atrás em Salvador, Bahia, onde em outra ação policial as vidas de Viviana Soares, 40 anos, e Maria Célia de Santana, 73 anos, foram interrompidas.

Somos secularmente mercantilizados a preço de banana para enriquecer uma estrutura que só beneficia financeiramente a branquitude. E a forma como a morte de Kathleen foi tratada por seus empregadores nos diz muito sobre como essa lógica é camaleônica e perversa.

Espero que a Farm assuma verdadeiramente outra postura porque fazer justiça por Kathlen é lutar contra esse sistema que se alimenta dessas tragédias. Ser antirracista é promover diversidade em seu corpo de funcionários, se dispor a conhecer e estudar uma sociedade forjada pelo racismo e desenvolver, ao lado daqueles que são marginalizados, os mecanismos para modificar a realidade.

Meus sentimentos à família de Kathlen, em especial, à mãe, Jaqueline, e a avó, Sayonara. Também estendo minha solidariedade às famílias de Viviana, Maria Célia e de todas as pretas, pretos e pretxs que são privados da vida plena nesse país.



ESCRITO POR Viviane Rocha
É jornalista, pós-graduanda em marketing e consultora de imagem e estilo e estreante na moda. Escrita, beleza, sociedade e negritude são as minhas pautas.

É jornalista, pós-graduanda em marketing e consultora de imagem e estilo e estreante na moda. Escrita, beleza, sociedade e negritude são as minhas pautas.

COMPARTILHAR

COMENTÁRIOS

LEIA MAIS EM Ponto de Vista

30 de dezembro

IAM EDIT #01: o que fazer com os aprendizados de 2020

Ufa, 2020 parece que está chegando ao fim. E a gente tenta fazer uma retrospectiva do que realmente aconteceu e vivemos.

por Andreia Meneguete

ÚLTIMAS POSTAGENS

Arraste para o lado
11 de junho

Moda e woke-washing: a mercantilização do corpo preto em um novo patamar

Jornalista Viviane Rocha relata o sequestro da humanidade das pessoas pretas

por Viviane Rocha
9 de junho

Semiótica da moda: a sensibilidade penetrante de Dior em “Disturbing Beauty”

Semioticista Clotilde Perez analisa os significados da beleza no novo filme da Dior

por Clotilde Perez
22 de maio

Carreira fashion: o que é preciso saber sobre jornalismo de moda

Do impresso ao digital, a jornalista Andreia Meneguete analisa as transformações de um jornalismo que se reinventa no tempo 

por Ivan Reis
22 de maio

GQ Brasil comemora 10 anos com diversidade no lifestyle

Com capas estreladas por Ludmilla, Ronaldo e o empresário David Vélez, a revista reformula seu projeto editorial

por Ivan Reis
22 de abril

Balen-gucci: o que fica da união de duas marcas potentes?

Em uma união inesperada com Balenciaga, Gucci traz à luz que quando se reformulam os signos, mudam-se significados

por Andreia Meneguete
15 de março

Para ler: 5 livros para entender moda masculina

Quer saber mais sobre moda masculina? Então, veja os livros que separamos para você iniciar a sua jornada de estudos

por Ivan Reis
15 de março

GQ Brasil sob nova direção: conheça as mudanças da revista

Agora com direção do jornalista Daniel Bergamasso, título de moda masculina ganha foco para comportamento

por Ivan Reis
30 de dezembro

IAM EDIT #01: o que fazer com os aprendizados de 2020

Ufa, 2020 parece que está chegando ao fim. E a gente tenta fazer uma retrospectiva do que realmente aconteceu e vivemos.

por Andreia Meneguete