VOCÊ ESTÁ LENDO >> O maximalismo simples de JW Anderson
POR Guilherme de Beauharnais | 20 de fevereiro

Na última segunda-feira (17/02), durante o penúltimo dia da Semana de Moda de Londres, Jonathan William Anderson apresentou a coleção outono-inverno 2020/21 para a sua marca semi homônima, JW Anderson. Nessa temporada, o estilista irlandês abriu mão das cores e estampas para trabalhar com formas e texturas, trazendo elementos estéticos da alta-costura do século passado, sem perder a contemporaneidade expressiva das peças.

Lapelas grandes e mangas bufantes fizeram parte do desfile, mas o destaque foi para o uso de pequenas tiras de plástico – que Anderson chamou de “celuloide antigo” – que enfeitaram os ombros de muitas modelos. Foto: Isidore Montag / Gorunway.com

Os 41 looks desfilados mostraram uma obsessão do designer com o movimento e a impressão de leveza, mesmo com a forma exagerada das roupas. Lapelas grandes e mangas bufantes fizeram parte do desfile, mas o destaque foi para o uso de pequenas tiras de plástico – que Anderson chamou de “celuloide antigo” – que enfeitaram os ombros de muitas modelos, evocando a neve em alguns momentos e as plumas de um filhote de pássaro em outros.

Busca por otimismo

Apesar de trabalhar com tons majoritariamente de preto e cinza, o estilista admitiu que queria “algo otimista” e, para isso, buscou referência na moda dos anos 1920, os chamados “Anos Loucos”, marcados pela liberdade do pós-guerra, as melindrosas e, especialmente, a moda de Coco Chanel.

O otimismo de Anderson e a loucura da década de 20 traduzem a ideia do estilista de que adentrar um recinto não deve ser visto como um fato banal, mas sim como uma ação precisamente executada. Para ele, é preciso “ter um firme senso de propósito” e “entrar com um sorriso”, como ele compartilhou em seu Instagram alguns dias antes do desfile. Essas instruções revelam uma certa teatralidade em sua personalidade, que é visível na marca. Entretanto, JW Anderson é teatral mas não exuberante. O estilista segue mais a linha de um monólogo em um pequeno palco do que uma grande produção no Teatro Municipal.

Holofotes em mim

Luís XIV, que governou a França no século XVII, insistia que os nobres do Palácio de Versalhes seguissem um rígido protocolo em qualquer situação, especialmente no momento de entrar em salões. Anderson não possui a extravagância do Rei Sol, mas ainda assim conseguiu provocar fortes reações com seu desfile, pois foi capaz de ousar – algo que o monarca fazia com frequência.

O talento de Anderson se vê materializado nos vestidos brilhantes e nos casacos largos, que atualizam a ousadia dos anos 20 do século passado para os anos 20 do século XXI. A combinação do couro, lã, cetim e veludo sugere uma cliente contemporânea e segura de si e de suas próprias escolhas, ciente não apenas de suas capacidades, mas também de seu potencial em entrar radiante em uma sala, sem precisar usar as rendas e bordados que tanto agradariam a Luís XIV.

Jonathan Anderson assegura mais uma vez seu compromisso em unir o minimalismo ao maximalismo, combinando o melhor dos dois mundos em roupas usáveis e modernas, um enorme (e lucrativo) atrativo para o público desse início de década.



ESCRITO POR Guilherme de Beauharnais

COMPARTILHAR

COMENTÁRIOS

LEIA MAIS EM Ponto de Vista

17 de outubro

PatBO mescla beachwear e festa numa tentativa de dar versatilidade às peças

A estilista mineira trabalhou estéticas nacionais mas ainda ficou presa em um olhar distante, estrangeiro

por Giovana Marques
17 de outubro

Desfile da ÃO no Projeto Estufa constrói o combo perfeito: crítica + inovação

As experimentações com formas e volumes apresentadas na passarela buscam contestar padrões ainda vigentes

por Giovana Marques
17 de agosto

O homem contemporâneo segundo Mário Queiroz

Análise de imagem: o professor e designer explica as transformações na moda masculina hoje

por Ivan Reis
9 de dezembro

Há séculos “na Moda”, comunidade LGBTQ+ ganha mais espaço nas passarelas

25% dos 68 principais desfiles da temporada de primavera/verão 2019 tiveram modelos que se identificam...

por Guilherme de Beauharnais

ÚLTIMAS POSTAGENS

Arraste para o lado
20 de dezembro

Projeto 19M da Chanel: o fortalecimento do luxo

Com nova CEO na casa e inauguração oficial do projeto, a grife francesa promete enaltecer o artesanato de moda de luxo

por Júlia Vilaça
9 de dezembro

Jornalismo de Moda: e se a autora Clarice Lispector fosse capa da Vogue?

No mês que Clarice Lispector faria 100 anos, conheça a relação da escritora com o jornalismo de moda

por Ivan Reis
28 de agosto

Figurino do filme ‘Spencer’: o papel das marcas de moda no cinema

Filme sobre Lady Di traz figurino assinado por Chanel e mostra o poder das marcas nas narrativas em torno de biografias

por Carol Hossni
17 de agosto

O homem contemporâneo segundo Mário Queiroz

Análise de imagem: o professor e designer explica as transformações na moda masculina hoje

por Ivan Reis
10 de agosto

Vida em detalhes: na fila da vacina, vista sua esperança

Enquanto esperar é a única coisa que nos resta, as roupas moldam a cena de um futuro próxima que desejamos ter

por Ivan Reis
10 de agosto

Belly Palma: “Posso fazer o que eu quiser e do meu jeito”

Influência ativista na internet: Izabelle Palma é a nova voz quando se fala em moda, diversidade e inclusão no Brasil

por Ivan Reis
11 de junho

Moda e woke-washing: a mercantilização do corpo preto em um novo patamar

Jornalista Viviane Rocha relata o sequestro da humanidade das pessoas pretas

por Viviane Rocha
9 de junho

Semiótica da moda: análise do filme “Disturbing Beauty”, da Dior

Semioticista Clotilde Perez analisa os significados da beleza no novo filme da Dior

por Clotilde Perez