VOCÊ ESTÁ LENDO >> Gisele Bündchen é bem normal!
POR Andreia Meneguete | 23 de fevereiro

Foto por Inez & Vinoodh | Reprodução

Vou ter que fazer uma confissão que vai me colocar no vale dos rechaçados e oprimidos: eu acho a Gisele Bündchen bem normal. E não só acho como tenho ainda a ousadia de sair afirmando aos quatro cantos do mundo. Quando falei isso em alto e bom som, eu tinha tantos (bons) motivos que faziam valer essa afirmação. Estava ao lado das minhas musas da vida real. Sabe aquelas mulheres que dão um show de sedução, magia, beleza, inteligência e energia no nosso santo dia a dia? Pois bem, eu sou abençoada por ser rodeadas de amigas que dão um olé na Gisele. E isso é plausível e é aceitável por vários motivos: 1) não conheço a Gisele pessoalmente. 2) fácil ser mito quando você não convive diariamente, então bem tranquilo seguir admirando. 3) quando a sua vida precisa ser uma novela de Manoel Carlos, ela simplesmente o é, certo?

Agora, imagina você que trabalha com moda há dez anos e sabe de todas as manobras de manipulação de imagem, de que as pessoas desse mundo são belas porque têm que ser, que a bunda na nuca faz parte do processo e por aí vai. Corta a cena, vai para a sua vida e vê o que está ao seu redor é tipo muito mais incrível que a Gisele. Sim, eu conheço mulheres que desfilam e dão close no anonimato do cotidiano. Tenho uma amiga que a cada passada – na passarela da vida real – encanta qualquer um à sua volta. De sorriso largo, cabelo esvoaçante e adepta do estilo anos 70s feelings, meu Deus, não tem quem não desejaria ser essa gaúcha. Inteligente, sagaz, doce e provocativa, ela se destaca em qualquer lugar e ainda é generosa em compartilhar a sua sabedoria de vida com todos que a pedem ajuda.

Não paremos por aqui. Tenho mais Giseles na minha vida. Há ainda aquela que no auge dos seus 40 anos exibe um corpo cheio de curvas, dança como ninguém, sabe onde quer chegar e, de quebra, tem um passaporte mais carimbado que angel da Victoria’s Secret. Cansou? Posso falar ainda daquela que já fez musa global (e galã, pode acreditar!) chorar de tanta beleza, carisma e doçura. Ela se desdobra entre reuniões e tarefas diárias para amamentar a sua filha, missão da qual não abre mão, sem deixar a peteca cair e sem uma frota de funcionários à sua disposição.

Ah, isso sem contar que elas dão um show de inteligência e desempenho em suas profissões. Lideram equipes, são reconhecidas naquilo que fazem e mostram que o lugar da mulher pode ser aquele que ela bem entender e desejar. E, para ficar melhor, elas ainda bebem boas doses de Apperol Spritz e saboreiam bons quitutes sem culpa.

Sério, você acha que com mulheres reais como essas eu ficariam exaltando alguém que não conheço e tendo como modelo de ideal algo tão distante e não representativo? Não que eu tenha algo contra a Gisele, muito pelo contrário. Mas simplesmente gosto de valorizar a vida mais real e próxima de mim – e isso contempla pessoas, não tem jeito. E que são tão belas quanto as que vejo nos anúncios de revistas. Ok. Estou pronta para o julgamento.

 

 



ESCRITO POR Andreia Meneguete
Founder @iam.inteligenciaemmoda, lecturer na @nafaap e @iedsp. Consultorias, treinamentos e palestras comunicação, varejo de moda e beleza.

Founder @iam.inteligenciaemmoda, lecturer na @nafaap e @iedsp. Consultorias, treinamentos e palestras comunicação, varejo de moda e beleza.

COMPARTILHAR

COMENTÁRIOS

LEIA MAIS EM Ponto de Vista

13 de maio

Marcas, revistas e influencers: a falta de senso crítico na pandemia

Quando o universo fashion opta por criar narrativas alienadas e fora do contexto social

por Andreia Meneguete
18 de novembro

Isaac Silva movimenta estruturas do SPFW

Em sua estreia, estilista traz ancestralidade e corpos negros às passarelas

por Zeinab Bazzi
11 de junho

Moda e woke-washing: a mercantilização do corpo preto em um novo patamar

Jornalista Viviane Rocha relata o sequestro da humanidade das pessoas pretas

por Viviane Rocha
10 de agosto

Vida em detalhes: na fila da vacina, vista sua esperança

Enquanto esperar é a única coisa que nos resta, as roupas moldam a cena de um futuro próxima que desejamos ter

por Ivan Reis

ÚLTIMAS POSTAGENS

Arraste para o lado
20 de dezembro

Projeto 19M da Chanel: o fortalecimento do luxo

Com nova CEO na casa e inauguração oficial do projeto, a grife francesa promete enaltecer o artesanato de moda de luxo

por Júlia Vilaça
9 de dezembro

Jornalismo de Moda: e se a autora Clarice Lispector fosse capa da Vogue?

No mês que Clarice Lispector faria 100 anos, conheça a relação da escritora com o jornalismo de moda

por Ivan Reis
28 de agosto

Figurino do filme ‘Spencer’: o papel das marcas de moda no cinema

Filme sobre Lady Di traz figurino assinado por Chanel e mostra o poder das marcas nas narrativas em torno de biografias

por Carol Hossni
17 de agosto

O homem contemporâneo segundo Mário Queiroz

Análise de imagem: o professor e designer explica as transformações na moda masculina hoje

por Ivan Reis
10 de agosto

Vida em detalhes: na fila da vacina, vista sua esperança

Enquanto esperar é a única coisa que nos resta, as roupas moldam a cena de um futuro próxima que desejamos ter

por Ivan Reis
10 de agosto

Belly Palma: “Posso fazer o que eu quiser e do meu jeito”

Influência ativista na internet: Izabelle Palma é a nova voz quando se fala em moda, diversidade e inclusão no Brasil

por Ivan Reis
11 de junho

Moda e woke-washing: a mercantilização do corpo preto em um novo patamar

Jornalista Viviane Rocha relata o sequestro da humanidade das pessoas pretas

por Viviane Rocha
9 de junho

Semiótica da moda: análise do filme “Disturbing Beauty”, da Dior

Semioticista Clotilde Perez analisa os significados da beleza no novo filme da Dior

por Clotilde Perez