VOCÊ ESTÁ LENDO >> Há séculos “na Moda”, comunidade LGBTQ+ ganha mais espaço nas passarelas
POR Guilherme de Beauharnais | 9 de dezembro

Filipe, o Duque de Orleãns, foi um dos primeiros membros LGBTQ+ a se destacar na moda – graças à aceitação do seu irmão, o rei católico Luís XIV -. Grande apoiador deste sistema na época, o Duque comprava centenas de sapatos e hábitos, parcialmente presenteados ao seu amante e também encomendados em moldes femininos. Mas Filipe era nobre e protegido por nepotismo: mais de 300 anos depois, a comunidade luta por representatividade e espaço de atuação na indústria.

Em 1980, a modelo americana transexual Tracey Norman teve a sua carreira prejudicada depois que o assistente de seu cabeleireiro revelou o seu segredo para a editora da revista Essence, que a estava fotografando. Foi apenas em 2016, quando sua queda foi relatada pela New York Magazine, que Norman voltou ao cenário da moda e o encontrou bem diferente.

Desfile manifesto da Burberry em fevereiro de 2018. Foto: Jamie Stoker / Vogue Int.

Pisa forte na passarela

Casas como Louis Vuitton, Chanel e Dior tiveram em seus desfiles e campanhas modelos como Teddy Quinlivan, Hunter Schafer e Indya Moore, todas mulheres transgêneros. Prada, Gucci e Miu Miu abriram espaço para modelos como Nathan Wrestling, homem transgênero.

De acordo com a consultoria Tagwalk, 25% dos 68 principais desfiles da temporada de primavera/verão 2019 tiveram modelos que se identificam abertamente como queer. Em uma análise de 2016, esse número não ultrapassou de 15%.

O diretor da DM casting, Samuel Scheinman, responsável pela contratação de modelos para Saint Laurent e Louis Vuitton, afirma que, hoje, mais pessoas estão perdendo o medo de que “ser transgênero pode afetar negativamente sua carreira”.

Força trans

No Brasil, a inserção da comunidade trans nesse universo está se fortalecendo e já conta com o seu batalhão de guerreir@s. Lea T foi um dos primeiros nomes nacionais de destaque. A modelo Valentina Sampaio foi contratada pela Victoria’s Secret. E a cantora Liniker assinou um texto para a segunda edição da revista Chime, criada pela grife Gucci.

Partindo dos corredores de Versalhes até as passarelas do século XXI, a comunidade LGBTQ+ lutou e ainda se esforça por espaço. Mas a cada nova temporada, abre portas e derruba preconceitos. Nas palavras do irmão do Duque de Orleãns, o rei Sol: “moda é o espelho da História”. Dessa forma, deve refletir a sociedade e quem faz parte dela.



ESCRITO POR Guilherme de Beauharnais

COMPARTILHAR

COMENTÁRIOS

LEIA MAIS EM Ponto de Vista

21 de janeiro

Dior celebra a divindade feminina em desfile de Alta-Costura

Maria Grazia Chiuri apresenta coleção inspirada na estética helenística não apenas nos looks, mas também...

por Guilherme de Beauharnais
16 de outubro

Reinaldo Lourenço une realeza e punks na SPFW

Estilista apresenta na passarela a sua proposta para o inverno 2020: rebeldes entram em comunhão...

por Zeinab Bazzi Thiago Andrill
15 de dezembro

Retorno de Elle Brasil: uma análise do jornalismo de moda

Sob o comando da editora Susana Barbosa, a revista retorna com um novo olhar para a moda brasileira

por Ivan Reis
9 de dezembro

Jornalismo de Moda: e se a autora Clarice Lispector fosse capa da Vogue?

No mês que Clarice Lispector faria 100 anos, conheça a relação da escritora com o jornalismo de moda

por Ivan Reis

ÚLTIMAS POSTAGENS

Arraste para o lado
20 de dezembro

Projeto 19M da Chanel: o fortalecimento do luxo

Com nova CEO na casa e inauguração oficial do projeto, a grife francesa promete enaltecer o artesanato de moda de luxo

por Júlia Vilaça
9 de dezembro

Jornalismo de Moda: e se a autora Clarice Lispector fosse capa da Vogue?

No mês que Clarice Lispector faria 100 anos, conheça a relação da escritora com o jornalismo de moda

por Ivan Reis
28 de agosto

Figurino do filme ‘Spencer’: o papel das marcas de moda no cinema

Filme sobre Lady Di traz figurino assinado por Chanel e mostra o poder das marcas nas narrativas em torno de biografias

por Carol Hossni
17 de agosto

O homem contemporâneo segundo Mário Queiroz

Análise de imagem: o professor e designer explica as transformações na moda masculina hoje

por Ivan Reis
10 de agosto

Vida em detalhes: na fila da vacina, vista sua esperança

Enquanto esperar é a única coisa que nos resta, as roupas moldam a cena de um futuro próxima que desejamos ter

por Ivan Reis
10 de agosto

Belly Palma: “Posso fazer o que eu quiser e do meu jeito”

Influência ativista na internet: Izabelle Palma é a nova voz quando se fala em moda, diversidade e inclusão no Brasil

por Ivan Reis
11 de junho

Moda e woke-washing: a mercantilização do corpo preto em um novo patamar

Jornalista Viviane Rocha relata o sequestro da humanidade das pessoas pretas

por Viviane Rocha
9 de junho

Semiótica da moda: análise do filme “Disturbing Beauty”, da Dior

Semioticista Clotilde Perez analisa os significados da beleza no novo filme da Dior

por Clotilde Perez