VOCÊ ESTÁ LENDO >> Entrevista: cobertura de celebridades por Giulianna Campos, editora da Quem
POR Zeinab Bazzi | 29 de julho

Giulianna Campos sempre quis ser famosa. Desde pequena, tinha o sonho de ser apresentadora. Mas foi com o jornalismo que se aproximou das celebridades. A editora de moda e beleza da Quem, revista que lhe deu o primeiro emprego há 9 anos, conversou com os alunos do Jornalismo de Moda da FAAP sobre entretenimento e cobertura jornalística.

Giulianna acredita que é preciso manter uma relação de confiança e simpatia com os famosos

Mas como fez para conquistar uma vaga na publicação? Ela dá o mérito à Hebe Camargo: uma funcionária da Quem, que fez parte da banca do seu TCC, convidou Giulianna e suas colegas para conhecer a revista. E foi aí que ela percebeu que era isso que queria fazer.

Na época, a apresentadora estava internada e a editora da época perguntou se alguém gostaria de ajudar o repórter a fazer o plantão no hospital. Giulianna não hesitou e aceitou a missão: fez a cobertura por 10 dias e se orgulha em contar que foi a responsável por dar o furo da saída de Hebe.

Foco no online

No início, a jornalista cobria o mundo das celebridades; ela ama estar no meio delas. Com a mudança do formato da Quem, ela se tornou editora de Moda e Beleza. Em julho de 2017, a revista impressa deixou de existir, migrando totalmente para o online. Contudo, independente das mudanças de editoria e estrutura, o foco foi mantido: os famosos.

Giulianna conta que, atualmente, as pessoas não têm mais paciência para ler textos grandes. De acordo com ela, o leitor foca nas fotos. Apesar disso, há sempre uma construção textual detalhada, o que inclui apuração criteriosa.

Para as entrevistas com famosos, ela aconselha: sempre fazer perguntas brandas e guardar as respostas para matérias frias, ou seja, atemporais. Também diz que é preciso manter uma relação amigável com as celebridades, conquistando a confiança e sendo empático.

Além disso, é fundamental ter um gravador em mãos. “A gravação é a prova”, diz.

Conecte-se

Networking é algo fundamental em sua carreira. A editora explica que deve-se conhecer pessoas novas e fazer conexões com elas, de forma que haja divulgação mútua.

A jornalista faz constantemente matérias e vídeos de beleza (publicados no site e no canal QUEM acontece), usando produtos acessíveis. Esta estratégia, segundo a editora, aproxima o público e aumenta o investimento das marcas.

Mas como se destacar no meio do entretenimento? Giulianna diz que deve-se sair da zona de conforto e ter ideias inovadoras, mas nunca se deixando levar totalmente pela audiência. Em outras palavras: é necessário fazer o que ninguém mais está, mantendo-se fiel à linha editorial.

“Se faz sentido para você, corre atrás!”, afirma ao término do bate papo com os alunos. E isso expressa bem quem é Giulianna: foco e leveza no trabalho que ama.



ESCRITO POR Zeinab Bazzi

COMPARTILHAR

COMENTÁRIOS

LEIA MAIS EM Ponto de Vista

15 de dezembro

Retorno de Elle Brasil: uma análise do jornalismo de moda

Sob o comando da editora Susana Barbosa, a revista retorna com um novo olhar para a moda brasileira

por Ivan Reis
22 de janeiro

Memória adolescente de Coco inspira nova coleção da Chanel

Virginie Vivar revisita o passado da maison em busca de essência, leveza e força

por Giovana Marques
13 de maio

Marcas, revistas e influencers: a falta de senso crítico na pandemia

Quando o universo fashion opta por criar narrativas alienadas e fora do contexto social

por Andreia Meneguete
21 de outubro

Cavalera milita (e convence) em desfile na SPFW

Marca sensibilizou plateia e passou mensagem sobre a importância e a necessidade de respeitar a...

por Zeinab Bazzi

ÚLTIMAS POSTAGENS

Arraste para o lado
20 de dezembro

Projeto 19M da Chanel: o fortalecimento do luxo

Com nova CEO na casa e inauguração oficial do projeto, a grife francesa promete enaltecer o artesanato de moda de luxo

por Júlia Vilaça
9 de dezembro

Jornalismo de Moda: e se a autora Clarice Lispector fosse capa da Vogue?

No mês que Clarice Lispector faria 100 anos, conheça a relação da escritora com o jornalismo de moda

por Ivan Reis
28 de agosto

Figurino do filme ‘Spencer’: o papel das marcas de moda no cinema

Filme sobre Lady Di traz figurino assinado por Chanel e mostra o poder das marcas nas narrativas em torno de biografias

por Carol Hossni
17 de agosto

O homem contemporâneo segundo Mário Queiroz

Análise de imagem: o professor e designer explica as transformações na moda masculina hoje

por Ivan Reis
10 de agosto

Vida em detalhes: na fila da vacina, vista sua esperança

Enquanto esperar é a única coisa que nos resta, as roupas moldam a cena de um futuro próxima que desejamos ter

por Ivan Reis
10 de agosto

Belly Palma: “Posso fazer o que eu quiser e do meu jeito”

Influência ativista na internet: Izabelle Palma é a nova voz quando se fala em moda, diversidade e inclusão no Brasil

por Ivan Reis
11 de junho

Moda e woke-washing: a mercantilização do corpo preto em um novo patamar

Jornalista Viviane Rocha relata o sequestro da humanidade das pessoas pretas

por Viviane Rocha
9 de junho

Semiótica da moda: análise do filme “Disturbing Beauty”, da Dior

Semioticista Clotilde Perez analisa os significados da beleza no novo filme da Dior

por Clotilde Perez