VOCÊ ESTÁ LENDO >> Vogue América: relatos de racismo e falta de diversidade
POR Ivan Reis | 17 de junho

A lendária editora-chefe da Vogue americana, Anna Wintour, está envolvida em relatos de discriminação e de falta de diversidade racial nos escritórios da Condé Nast. O movimento ganhou força após o assassinato do cantor George Floyd por um policial branco em Mineápolis, nos Estados Unidos.

 

André Leon Talley detalha a sua relação com Anna
Wintour em The Chifon Trenches, seu livro recém-lançado. Foto: reprodução Vulture.

 

Shelby Ivey, que já trabalhou na Condé Nast, afirmou em seu Twitter que foi desafiador e um “trabalho completamente ingrato com um salário terrível; o racismo foi cansativo”. André Leon Talley, ex-editor geral da Vogue americana, acaba de lançar um livro com revelações de sua relação com Anna. Talley afirmou que a editora incentiva um ambiente tomado por práticas coloniais e nunca deixará nada atrapalhar seu privilégio branco. Ele referiu-se à britânica como uma “dama colonial”.

 

LeBron James e Gisele Bundchen na capa da Vogue americana. Foto: Annie Leibovitz / reprodução Pulpy Culture

 

Além disso, a Vogue tem sido criticada por uma série de imagens que construiu nos últimos anos que teriam teor racista: a capa de LeBron James com Gisele Bündchen, onde estaria sendo feita uma apologia ao King Kong, um editorial no qual a modelo branca Karlie Kloss encarnou uma gueixa, dentre outras.

 

Karlie Kloss como gueixa para editorial da mesma revista. Foto: Mikael Jansson / reprodução: Medium Acculturated

 

Resposta

Segundo o The New York Times, a editora de moda enviou uma mensagem aos funcionários em meio às manifestações antirracistas americanas pedindo desculpas por “publicar imagens ou histórias que foram prejudiciais ou intolerantes”, admitindo que havia poucos negros nos escritórios. Afirmou ainda que a Vogue “não encontrou maneiras suficientes de elevar e dar espaço a editores, escritores, fotógrafos, designers e outros criadores de conteúdo negros. […] Eu assumo total responsabilidade por esses erros”.

 

Foto: Edward Berthelot / WireImage / reprodução: today.com/style

Wintour comanda a Vogue há mais de 30 anos. Além do cargo de editora-chefe, ela também é diretora criativa da Condé Nast. Foto: Edward Berthelot / WireImage / reprodução: today.com/style

 

Roger Lynch, CEO da Condé Nast, afirmou ao jornal inglês The Guardian que poucas pessoas no mundo podem fazer grandes mudanças. “A razão pela qual [Anna] está aqui é porque ela pode ajudar a influenciar a mudança que precisamos fazer, e eu sei que está comprometida”, disse o chefe das publicações.

As declarações de ex-funcionários provocam um necessário e tardio abalo em grandes corporações ao redor do mundo, que muitas vezes se desculpam e reconhecem a necessidade de reconfiguração. Entretanto, apenas com reparação efetiva, através da maior contratação e valorização de profissionais negros em todos os níveis de cargos, é que a mudança pode ser alcançada.



ESCRITO POR Ivan Reis
Ivan Reis é mestre em Linguística e apaixonado por leitura, escrita e por todo o universo de jornalismo de moda, principalmente quando se fala em moda masculina.

Ivan Reis é mestre em Linguística e apaixonado por leitura, escrita e por todo o universo de jornalismo de moda, principalmente quando se fala em moda masculina.

COMPARTILHAR

COMENTÁRIOS

LEIA MAIS EM Moda

23 de outubro

Apartamento 03 aposta em tradição renovada com poesia

Marca apresenta reflexão sobre espiritualidade e o ser humano, logo, resistência. O que é vestido...

por Zeinab Bazzi
11 de fevereiro

Tom Ford parte em direção a Los Angeles durante NYFW

Às vésperas do Oscar, desfile foi leve, glamouroso e sensual

por Guilherme de Beauharnais
7 de dezembro

5 dicas para produção de conteúdo digital por Vogue Brasil

Bloco de notas à mão e veja o que as editoras da revista têm a dizer sobre o jornalismo de moda online

por Ivan Reis
23 de dezembro

Elle Brasil sonha com moda e esperança para novos tempos

Com inspiração na letra Imagine, de Lenon, revista chega às bancas com quatro capas que retratam amor e horizontes possíveis

por Ivan Reis

ÚLTIMAS POSTAGENS

Arraste para o lado
20 de dezembro

Projeto 19M da Chanel: o fortalecimento do luxo

Com nova CEO na casa e inauguração oficial do projeto, a grife francesa promete enaltecer o artesanato de moda de luxo

por Júlia Vilaça
9 de dezembro

Jornalismo de Moda: e se a autora Clarice Lispector fosse capa da Vogue?

No mês que Clarice Lispector faria 100 anos, conheça a relação da escritora com o jornalismo de moda

por Ivan Reis
28 de agosto

Figurino do filme ‘Spencer’: o papel das marcas de moda no cinema

Filme sobre Lady Di traz figurino assinado por Chanel e mostra o poder das marcas nas narrativas em torno de biografias

por Carol Hossni
17 de agosto

O homem contemporâneo segundo Mário Queiroz

Análise de imagem: o professor e designer explica as transformações na moda masculina hoje

por Ivan Reis
10 de agosto

Vida em detalhes: na fila da vacina, vista sua esperança

Enquanto esperar é a única coisa que nos resta, as roupas moldam a cena de um futuro próxima que desejamos ter

por Ivan Reis
10 de agosto

Belly Palma: “Posso fazer o que eu quiser e do meu jeito”

Influência ativista na internet: Izabelle Palma é a nova voz quando se fala em moda, diversidade e inclusão no Brasil

por Ivan Reis
11 de junho

Moda e woke-washing: a mercantilização do corpo preto em um novo patamar

Jornalista Viviane Rocha relata o sequestro da humanidade das pessoas pretas

por Viviane Rocha
9 de junho

Semiótica da moda: análise do filme “Disturbing Beauty”, da Dior

Semioticista Clotilde Perez analisa os significados da beleza no novo filme da Dior

por Clotilde Perez