VOCÊ ESTÁ LENDO >> Schiaparelli homenageia fundadora em coleção de alta-costura
POR Guilherme de Beauharnais | 23 de janeiro

Surrealismo não é novidade na Maison Schiaparelli. A sua fundadora, a italiana Elsa Schiaparelli, foi uma figura singular na sociedade parisiense dos anos 30, oferecendo festas e criando coleções ousadas para o desgosto dos mais sóbrios, como Coco Chanel. Para o desfile de alta-costura apresentado na última segunda-feira (20/01), sob direção criativa de Daniel Roseberry, foi feito do início ao fim um tributo à essa essência atrevida.

Apresentação de alta-costura homenageou as raízes da maison. Crédito: The Glass Magazine

Na maison há menos de um ano, Roseberry explorou a dualidade de Schiap (apelido da estilista): introvertida nos dias de trabalho e extrovertida nas noites de celebração. O designer também se inspirou nos amigos dela, que colaboraram enormemente para suas criações, como Salvador Dalí, Jean Cocteau e Alberto Giacometti.

O sol que Dalí desenhou para decorar a embalagem do perfume Rei Sol de Schiaparelli, em 1947, tornou-se um bordado nas mãos de Roseberry. Além disso, o vestido esqueleto (criado por Schiap e Dalí em 1938) serviu como inspiração para luvas bordadas com metais e pérolas no formato de ossos nos dedos.

As bijuterias também tiveram grande destaque. O broche em formato de olho que Jean Cocteau desenhou para Schiaparelli em 1937 originou brincos e botões (também criados com base em desenhos de Alberto Giacometti).

Signos da marca

Daniel Roseberry fez uma homenagem íntima e contemporânea a Elsa Schiaparelli. Signos como a letra S, a íris (flor favorita da estilista) e sua fita métrica apareceram, seja em bordados, acessórios ou pequenos detalhes.

A sensação é de que o estilista não criou apenas vestidos, mas também reproduziu com sensibilidade o que se pode apenas descrever como um sonho (ou talvez delírio?) elegante e surrealista que Schiap teria tido após algumas taças de champanhe em suas famosas festas em Paris.

Um sonho que começa em tons neutros – como preto, marrom e azul marinho, característicos do decorador Jean-Michel Frank, também amigo da estilista – apenas para terminar na vivacidade do rosa, azul e laranja. A dualidade de Elsa Schiaparelli em sua melhor síntese até hoje.



ESCRITO POR Guilherme de Beauharnais

COMPARTILHAR

COMENTÁRIOS

LEIA MAIS EM Moda

13 de fevereiro

Cores em destaque: o inverno otimista de Wes Gordon para Carolina Herrera

Avesso à sobriedade, Gordon voltou a rejeitar a neutralidade dos tons das estações frias para abusar de tecidos coloridos

por Guilherme de Beauharnais
7 de outubro

Chanel sem holofotes: desfile de primavera é desconexo e sem criatividade

Com uma coleção desconectada do tema, Virginie Viard traz à passarela looks apáticos e sem enredo

por Guilherme de Beauharnais
14 de julho

Chanel une luxo e punk em homenagem a Karl Lagerfeld

Opulência recatada e sofisticação (com um twist punk) se fundiram para compor o luxo da coleção de alta-costura do outono 2020/21 da Chanel, por Virginie Viard

por Guilherme de Beauharnais
22 de setembro

Erdem resgata em desfile história de Emma Hamilton, célebre cortesã inglesa

Coleção foi inspirada em uma das mais famosas cortesãs da Inglaterra e amante de Lorde Nelson, arqui-inimigo de Napoleão

por Guilherme de Beauharnais

ÚLTIMAS POSTAGENS

Arraste para o lado
20 de dezembro

Projeto 19M da Chanel: o fortalecimento do luxo

Com nova CEO na casa e inauguração oficial do projeto, a grife francesa promete enaltecer o artesanato de moda de luxo

por Júlia Vilaça
9 de dezembro

Jornalismo de Moda: e se a autora Clarice Lispector fosse capa da Vogue?

No mês que Clarice Lispector faria 100 anos, conheça a relação da escritora com o jornalismo de moda

por Ivan Reis
28 de agosto

Figurino do filme ‘Spencer’: o papel das marcas de moda no cinema

Filme sobre Lady Di traz figurino assinado por Chanel e mostra o poder das marcas nas narrativas em torno de biografias

por Carol Hossni
17 de agosto

O homem contemporâneo segundo Mário Queiroz

Análise de imagem: o professor e designer explica as transformações na moda masculina hoje

por Ivan Reis
10 de agosto

Vida em detalhes: na fila da vacina, vista sua esperança

Enquanto esperar é a única coisa que nos resta, as roupas moldam a cena de um futuro próxima que desejamos ter

por Ivan Reis
10 de agosto

Belly Palma: “Posso fazer o que eu quiser e do meu jeito”

Influência ativista na internet: Izabelle Palma é a nova voz quando se fala em moda, diversidade e inclusão no Brasil

por Ivan Reis
11 de junho

Moda e woke-washing: a mercantilização do corpo preto em um novo patamar

Jornalista Viviane Rocha relata o sequestro da humanidade das pessoas pretas

por Viviane Rocha
9 de junho

Semiótica da moda: análise do filme “Disturbing Beauty”, da Dior

Semioticista Clotilde Perez analisa os significados da beleza no novo filme da Dior

por Clotilde Perez