VOCÊ ESTÁ LENDO >> Cores em destaque: o inverno otimista de Wes Gordon para Carolina Herrera
POR Guilherme de Beauharnais | 13 de fevereiro

Avesso à sobriedade, Gordon voltou a rejeitar a neutralidade dos tons das estações frias para abusar de tecidos coloridos

O designer Wes Gordon apresentou, na última segunda-feira (10/02), durante a semana de moda de Nova York, a coleção de ready-to-wear de outono-inverno 2020/21 para a marca Carolina Herrera, da qual é diretor criativo desde 2018, escolhido pela própria fundadora. Avesso à sobriedade e assumidamente fanático por cores (em 2019, disse para a Vogue Brasil que gosta de “desenhar roupas felizes para mulheres felizes”), Gordon voltou a rejeitar a neutralidade dos tons das estações frias para abusar de tecidos coloridos.

Wes Gordon continua a cumprir seu papel brilhantemente na CH, com êxito em seu propósito de não querer “reinventar a roda, apenas desenhar roupas bonitas”. Foto: Imaxtree

As 45 modelos que desfilaram na passarela branca circular pareciam gotas de tinta fluindo elegantemente sobre a paleta de um artista seguro da sua obra. Gordon acompanhou Herrera de perto por um ano antes de assumir completamente a criação da marca e entende o compromisso que a marquesa venezuelana teve com a elegância durante seus 37 anos como criadora. Ele não está lá para mudar os alicerces da grife, mas sim para integrá-los aos novos tempos, sem esquecer da figura que ele mesmo descreve como “uma mulher confiante, exuberante e cheia de vida”.

À procura do sorriso

E talvez o maior sucesso de Gordon na busca dessa estética seja o fato de que ela expressa algo facilmente associável: um desejo de otimismo. Não é difícil fazer um paralelo entre seu trabalho e os quadros da série “Minha Alma Eterna”, da assumidamente perturbada artista japonesa Yayoi Kusama, ricamente coloridos. Ou mesmo com o livro infantil brasileiro “Flicts”, de Ziraldo, que conta a história de uma cor que busca incessantemente por seu lugar entre as outras. Em certo momento “as sete cores se deram as mãos e voltaram a girar…”, excluindo o pobre Flicts.

No desfile, como na obra de Ziraldo, as cores também giram, em uma passarela ampla e redonda. A diferença é que nas mãos do estilista, Flicts (um tom de ocre), foi incluído na coleção, colorindo um poncho que apareceu logo no início, ainda que um pouco mais claro. O trabalho de Gordon une a sensação de alívio e desprendimento da arte de Kusama ao lúdico e inocente do texto de Ziraldo, mesmo que nenhum dos dois tenha sido sua referência. E isso se dá porque o desejo da felicidade é absoluto, e não particular a uma cultura ou indivíduo: “Você quer entrar no closet e encontrar algo que te faça sorrir, um pouco de fantasia”, afirmou o estilista no ano passado.

Compromisso com a elegância

A dramaticidade da coleção foi quase mascarada pela aparente simplicidade na escolha de não utilizar acessórios ou de se exaltar nas estampas. As mangas exageradas e a fluidez dos vestidos e da alfaiataria em tons lisos de azul, verde e laranja ocasionalmente deram espaço a estampas – sempre maxi-florais – que misturavam amarelo e preto, rosa e vermelho e azul e laranja (essa combinação desfilada primorosamente em um vestido curto e outro longo).

O preto e o branco também tiveram espaço em vestidos e conjuntos. Apesar de à primeira vista serem comuns e até tediosos, contrastaram de forma quase barroca com o restante das peças, dividindo o espectador entre aproveitar o “intervalo” para respirar em meio a abundância de cores ou se encantar ainda mais com o comprometimento do estilista em buscar a elegância também nos tons sóbrios.

Wes Gordon continua a cumprir seu papel brilhantemente na CH, com êxito em seu propósito de não querer “reinventar a roda, apenas desenhar roupas bonitas”. Carolina Herrera – que estava na primeira fila – continua a ver seu ideal de exuberância e alegria sendo impressos em sua marca, mesmo que sob a ótica de um diferente (e mais jovem) diretor criativo, que deixa o público ansioso para a próxima coleção.



ESCRITO POR Guilherme de Beauharnais

COMPARTILHAR

COMENTÁRIOS

LEIA MAIS EM Moda

23 de janeiro

Schiaparelli homenageia fundadora em coleção de alta-costura

Maison cria um elegante delírio e repensa signos que fazem parte do legado da italiana

por Guilherme de Beauharnais
22 de setembro

Erdem resgata em desfile história de Emma Hamilton, célebre cortesã inglesa

Coleção foi inspirada em uma das mais famosas cortesãs da Inglaterra e amante de Lorde Nelson, arqui-inimigo de Napoleão

por Guilherme de Beauharnais
14 de julho

Chanel une luxo e punk em homenagem a Karl Lagerfeld

Opulência recatada e sofisticação (com um twist punk) se fundiram para compor o luxo da coleção de alta-costura do outono 2020/21 da Chanel, por Virginie Viard

por Guilherme de Beauharnais
7 de outubro

Chanel sem holofotes: desfile de primavera é desconexo e sem criatividade

Com uma coleção desconectada do tema, Virginie Viard traz à passarela looks apáticos e sem enredo

por Guilherme de Beauharnais

ÚLTIMAS POSTAGENS

Arraste para o lado
20 de dezembro

Projeto 19M da Chanel: o fortalecimento do luxo

Com nova CEO na casa e inauguração oficial do projeto, a grife francesa promete enaltecer o artesanato de moda de luxo

por Júlia Vilaça
9 de dezembro

Jornalismo de Moda: e se a autora Clarice Lispector fosse capa da Vogue?

No mês que Clarice Lispector faria 100 anos, conheça a relação da escritora com o jornalismo de moda

por Ivan Reis
28 de agosto

Figurino do filme ‘Spencer’: o papel das marcas de moda no cinema

Filme sobre Lady Di traz figurino assinado por Chanel e mostra o poder das marcas nas narrativas em torno de biografias

por Carol Hossni
17 de agosto

O homem contemporâneo segundo Mário Queiroz

Análise de imagem: o professor e designer explica as transformações na moda masculina hoje

por Ivan Reis
10 de agosto

Vida em detalhes: na fila da vacina, vista sua esperança

Enquanto esperar é a única coisa que nos resta, as roupas moldam a cena de um futuro próxima que desejamos ter

por Ivan Reis
10 de agosto

Belly Palma: “Posso fazer o que eu quiser e do meu jeito”

Influência ativista na internet: Izabelle Palma é a nova voz quando se fala em moda, diversidade e inclusão no Brasil

por Ivan Reis
11 de junho

Moda e woke-washing: a mercantilização do corpo preto em um novo patamar

Jornalista Viviane Rocha relata o sequestro da humanidade das pessoas pretas

por Viviane Rocha
9 de junho

Semiótica da moda: análise do filme “Disturbing Beauty”, da Dior

Semioticista Clotilde Perez analisa os significados da beleza no novo filme da Dior

por Clotilde Perez