VOCÊ ESTÁ LENDO >> Oscar de la Renta tem coleção confusa e inconsistente
POR Guilherme de Beauharnais | 13 de fevereiro

Na última terça-feira (11/02), Laura Kim e Fernando Garcia apresentaram, durante a NYFW, a coleção outono-inverno 2020/21 de Oscar de la Renta, grife na qual são co-diretores criativos desde 2016. Ambos já haviam trabalhado para a marca na época em que seu fundador ainda estava vivo, mas com sua morte em 2014, a dupla resolveu abrir em conjunto a Monse. Depois que Peter Copping, sucessor de la Renta, deixou a marca após 21 meses, Kim e Garcia foram chamados de volta como co-criadores.

Os estilistas deixaram a apresentação ao lado da modelo Bella Hadid, que estava com um vestido curto de veludo vermelho, capuz e capa de plumas, em uma versão excêntrica de Chapeuzinho Vermelho. Foto: Alessandro Lucioni / Gorunway.com

A última imagem do desfile – que atrasou em quase uma hora – talvez seja uma boa ilustração da natureza desconcertante da coleção: os dois estilistas deixaram a apresentação ao lado da modelo Bella Hadid, que estava com um vestido curto de veludo vermelho, capuz e capa de plumas, em uma versão excêntrica de Chapeuzinho Vermelho.

Mistura-mistura

Se houve um vilão nesse “conto de fadas” foi o mau planejamento e a inconsistência entre as 51 peças que desfilaram. As primeiras modelos preludiaram um tom urbano e minimalista de color-blocking que rapidamente se transformou em estampas maxi-florais em tons de branco, preto, rosa e vermelho. Na mesma velocidade, entraram vestidos brilhantes de cetim em cores lisas que seriam logo substituídos por padronagens geométricas, como os losangos pretos e brancos que trouxeram imediatamente à memória as estampas arlequinais de Gianni Versace dos anos 80 – e que Olivier Rousteing já reviveu há 15 temporadas, em sua coleção de primavera-verão 2013 para a Balmain -.

Os vestidos longos de festa mesclaram veludo, plumas, lamê, bordados e tule que, apesar de terem produzidos algumas belas peças, em conjunto pareceram caóticos e deslocados. Entre as estampas, houve referência ao céu do pós-impressionista Van Gogh em “Noite Estrelada”, enquanto uma modelo desfilou um bordado de fogos de artifício, evocando uma atmosfera Disney. Outras estampas traziam elementos dos quadros barrocos de Caravaggio e a dupla de estilistas ainda tentou, aqui e acolá, insinuar uma estética greco-romana, já explorada à exaustão por Maria Grazia Chiuri na coleção de alta-costura primavera-verão 2020 da Dior, apresentada no mês passado.

Raízes da inspiração

Segundo Kim e Garcia, as fotos do Baile Preto e Branco (organizado em 1966 em Nova York por Truman Capote em homenagem à Katherine Graham) serviram como referência. O embaraço surge quando a elegância da festa dos anos 60 em nada se assemelha ao turbilhão de propostas estéticas trazidas pela dupla, o que causa desconforto e inquietação no espectador.

Individualmente, as peças têm charme e potencial: a atriz Scarlett Johansson vestiu, na última edição do Oscar (09/02), tiras brilhantes criadas pela dupla e que apareceram nesse desfile. O problema com as criações de Fernando Garcia e Laura Kim foi a falta de um elo. O desfile, confuso e sem alma, deixa nessa edição da NYFW um vazio que implora por ser preenchido com mais consistência e objetividade na próxima temporada.



ESCRITO POR Guilherme de Beauharnais

COMPARTILHAR

COMENTÁRIOS

LEIA MAIS EM Moda

11 de fevereiro

Diário de bordo: por dentro da Vogue Britânica

Inside Vogue: livro de Alexandra Schulman traz os bastidores da Vogue britânicaPersonalidade carimbada na primeira...

por Letícia Becker
15 de março

Para ler: 5 livros para entender moda masculina

Quer saber mais sobre moda masculina? Então, veja os livros que separamos para você iniciar a sua jornada de estudos

por Ivan Reis
31 de janeiro

Yves Saint Laurent: “o último grande costureiro do mundo”

Conheça a história do estilista que revolucionou a imagem e o modo de vestir das mulheres

por Guilherme de Beauharnais
15 de março

Grande Hotel Ronaldo Fraga

Vindo da mente de um dos mais inusitados e inquietos estilistas do Brasil, não era...

por Raíssa Zogbi

ÚLTIMAS POSTAGENS

Arraste para o lado
20 de dezembro

Projeto 19M da Chanel: o fortalecimento do luxo

Com nova CEO na casa e inauguração oficial do projeto, a grife francesa promete enaltecer o artesanato de moda de luxo

por Júlia Vilaça
9 de dezembro

Jornalismo de Moda: e se a autora Clarice Lispector fosse capa da Vogue?

No mês que Clarice Lispector faria 100 anos, conheça a relação da escritora com o jornalismo de moda

por Ivan Reis
28 de agosto

Figurino do filme ‘Spencer’: o papel das marcas de moda no cinema

Filme sobre Lady Di traz figurino assinado por Chanel e mostra o poder das marcas nas narrativas em torno de biografias

por Carol Hossni
17 de agosto

O homem contemporâneo segundo Mário Queiroz

Análise de imagem: o professor e designer explica as transformações na moda masculina hoje

por Ivan Reis
10 de agosto

Vida em detalhes: na fila da vacina, vista sua esperança

Enquanto esperar é a única coisa que nos resta, as roupas moldam a cena de um futuro próxima que desejamos ter

por Ivan Reis
10 de agosto

Belly Palma: “Posso fazer o que eu quiser e do meu jeito”

Influência ativista na internet: Izabelle Palma é a nova voz quando se fala em moda, diversidade e inclusão no Brasil

por Ivan Reis
11 de junho

Moda e woke-washing: a mercantilização do corpo preto em um novo patamar

Jornalista Viviane Rocha relata o sequestro da humanidade das pessoas pretas

por Viviane Rocha
9 de junho

Semiótica da moda: análise do filme “Disturbing Beauty”, da Dior

Semioticista Clotilde Perez analisa os significados da beleza no novo filme da Dior

por Clotilde Perez