VOCÊ ESTÁ LENDO >> Oscar de la Renta tem coleção confusa e inconsistente
POR Guilherme de Beauharnais | 13 de fevereiro

Na última terça-feira (11/02), Laura Kim e Fernando Garcia apresentaram, durante a NYFW, a coleção outono-inverno 2020/21 de Oscar de la Renta, grife na qual são co-diretores criativos desde 2016. Ambos já haviam trabalhado para a marca na época em que seu fundador ainda estava vivo, mas com sua morte em 2014, a dupla resolveu abrir em conjunto a Monse. Depois que Peter Copping, sucessor de la Renta, deixou a marca após 21 meses, Kim e Garcia foram chamados de volta como co-criadores.

Os estilistas deixaram a apresentação ao lado da modelo Bella Hadid, que estava com um vestido curto de veludo vermelho, capuz e capa de plumas, em uma versão excêntrica de Chapeuzinho Vermelho. Foto: Alessandro Lucioni / Gorunway.com

A última imagem do desfile – que atrasou em quase uma hora – talvez seja uma boa ilustração da natureza desconcertante da coleção: os dois estilistas deixaram a apresentação ao lado da modelo Bella Hadid, que estava com um vestido curto de veludo vermelho, capuz e capa de plumas, em uma versão excêntrica de Chapeuzinho Vermelho.

Mistura-mistura

Se houve um vilão nesse “conto de fadas” foi o mau planejamento e a inconsistência entre as 51 peças que desfilaram. As primeiras modelos preludiaram um tom urbano e minimalista de color-blocking que rapidamente se transformou em estampas maxi-florais em tons de branco, preto, rosa e vermelho. Na mesma velocidade, entraram vestidos brilhantes de cetim em cores lisas que seriam logo substituídos por padronagens geométricas, como os losangos pretos e brancos que trouxeram imediatamente à memória as estampas arlequinais de Gianni Versace dos anos 80 – e que Olivier Rousteing já reviveu há 15 temporadas, em sua coleção de primavera-verão 2013 para a Balmain -.

Os vestidos longos de festa mesclaram veludo, plumas, lamê, bordados e tule que, apesar de terem produzidos algumas belas peças, em conjunto pareceram caóticos e deslocados. Entre as estampas, houve referência ao céu do pós-impressionista Van Gogh em “Noite Estrelada”, enquanto uma modelo desfilou um bordado de fogos de artifício, evocando uma atmosfera Disney. Outras estampas traziam elementos dos quadros barrocos de Caravaggio e a dupla de estilistas ainda tentou, aqui e acolá, insinuar uma estética greco-romana, já explorada à exaustão por Maria Grazia Chiuri na coleção de alta-costura primavera-verão 2020 da Dior, apresentada no mês passado.

Raízes da inspiração

Segundo Kim e Garcia, as fotos do Baile Preto e Branco (organizado em 1966 em Nova York por Truman Capote em homenagem à Katherine Graham) serviram como referência. O embaraço surge quando a elegância da festa dos anos 60 em nada se assemelha ao turbilhão de propostas estéticas trazidas pela dupla, o que causa desconforto e inquietação no espectador.

Individualmente, as peças têm charme e potencial: a atriz Scarlett Johansson vestiu, na última edição do Oscar (09/02), tiras brilhantes criadas pela dupla e que apareceram nesse desfile. O problema com as criações de Fernando Garcia e Laura Kim foi a falta de um elo. O desfile, confuso e sem alma, deixa nessa edição da NYFW um vazio que implora por ser preenchido com mais consistência e objetividade na próxima temporada.



ESCRITO POR Guilherme de Beauharnais

COMPARTILHAR

COMENTÁRIOS

LEIA MAIS EM Moda

30 de março

O que esperar da biografia não autorizada de Anna Wintour 

O autor entrevistou colegas da época da escola, ex namorados, inimigos profissionais e tantas outras...

por Letícia Becker
23 de dezembro

Elle Brasil sonha com moda e esperança para novos tempos

Com inspiração na letra Imagine, de Lenon, revista chega às bancas com quatro capas que retratam amor e horizontes possíveis

por Ivan Reis
21 de maio

Mentoria de carreira: processo de imersão e conquistas

Que tal começar a pensar em tirar seus planos do papel de um jeito que faz sentido para a sua evolução?

por Andreia Meneguete
25 de fevereiro

Cursos de moda para fazer no primeiro semestre de 2017

Cursos para você se especializar na área e garantir uma carreira de sucesso!

por Ana Paula Porto

ÚLTIMAS POSTAGENS

Arraste para o lado
11 de junho

Moda e woke-washing: a mercantilização do corpo preto em um novo patamar

Jornalista Viviane Rocha relata o sequestro da humanidade das pessoas pretas

por Viviane Rocha
9 de junho

Semiótica da moda: a sensibilidade penetrante de Dior em “Disturbing Beauty”

Semioticista Clotilde Perez analisa os significados da beleza no novo filme da Dior

por Clotilde Perez
22 de maio

Carreira fashion: o que é preciso saber sobre jornalismo de moda

Do impresso ao digital, a jornalista Andreia Meneguete analisa as transformações de um jornalismo que se reinventa no tempo 

por Ivan Reis
22 de maio

GQ Brasil comemora 10 anos com diversidade no lifestyle

Com capas estreladas por Ludmilla, Ronaldo e o empresário David Vélez, a revista reformula seu projeto editorial

por Ivan Reis
22 de abril

Balen-gucci: o que fica da união de duas marcas potentes?

Em uma união inesperada com Balenciaga, Gucci traz à luz que quando se reformulam os signos, mudam-se significados

por Andreia Meneguete
15 de março

Para ler: 5 livros para entender moda masculina

Quer saber mais sobre moda masculina? Então, veja os livros que separamos para você iniciar a sua jornada de estudos

por Ivan Reis
15 de março

GQ Brasil sob nova direção: conheça as mudanças da revista

Agora com direção do jornalista Daniel Bergamasso, título de moda masculina ganha foco para comportamento

por Ivan Reis
30 de dezembro

IAM EDIT #01: o que fazer com os aprendizados de 2020

Ufa, 2020 parece que está chegando ao fim. E a gente tenta fazer uma retrospectiva do que realmente aconteceu e vivemos.

por Andreia Meneguete