VOCÊ ESTÁ LENDO >> Por uma indústria diferente: o que é o Fashion Revolution e a sua importância para a moda?
POR Rebeca Dias | 22 de abril

Movimento criado em 2013 após desastre em Bangladesh traz semana especial com reflexões sobre a indústria têxtil

Não só para quem é da área de moda, o Fashion Revolution é um dos movimentos que deveria ser conhecido por muito – para não dizer todos os cidadãos-consumidores. Considerado o maior movimento ativista de moda do mundo, o mês de abril de 2023 marca 10 anos da tragédia do desabamento do edifício Rana Plaza em Dhaka, Bangladesh, mesmo ano em que o Fashion Revolution foi criado.

O local, que abrigava uma fábrica de tecidos de forma irregular, deixou diversas pessoas mortas e feridas após o prédio com instalações irregulares desabar. O pior: era de conhecimento dos responsáveis pelo imóvel sobre as condições do imóvel, mas o trabalho seguia dia sim e outro também.

O que é o Fashion Revolution?

Fashion Revolution é um movimento que traz holofote para os problemas da indústria têxtil. (Foto: Reprodução GreenSefa)


PARA NUNCA ESQUECER

O objetivo do movimento, que no Brasil existe desde 2014,  é trabalhar para que a moda de fato implemente pensamentos e ações sustentáveis, garantindo a segurança e bem-estar dos trabalhadores e a preservação do meio-ambiente acima do crescimento e do lucro. Como principal atividade, o Fashion Revolution realiza a Semana Fashion Revolution que é uma campanha que acontece no Brasil e no mundo, em memória às vítimas do desabamento do edifício em Bangladesh.

A semana de moda do Fashion Revolution acontece nos dias 22 a 29 de abril, e tem como foco questionar empresas da indústria da moda sobre: “Quem fez minhas roupas?”, com a intenção de dar visibilidade a trabalhadores e exigir do setor mais transparência e ética em suas atividades. O movimento conta com uma série de representantes, embaixadores e voluntários espalhados por todo país.

A IMPORTÂNCIA DO MOVIMENTO

“O movimento faz com que todos repensem a forma de consumir, exigindo uma cadeia de moda mais transparente, limpa, diversa e consciente”, sinaliza Naja Paulino Ribeiro, especialista na área de têxtil e moda, representante do movimento na cidade de Campinas (SP).  Além de, representante do movimento, a ativista também já foi aluna embaixadora na FATEC Americana. “O Fashion Revolution mudou a minha vida, porque além de enxergar as roupas de forma diferente, como não deve ser descartável, me mostrou como toda a cadeia deve ser respeitada, como nosso papel como designers e consumidores é importante para mudar o mercado”, explica Naja.

Já Manuela Vaz Rocha conhece o movimento há 6 anos, mas faz parte ativamente há 4 anos. Representante na cidade de Ponta Grossa (PR), integrante do Comitê Racial e da Equipe Educacional do Fashion Revolution, Manuela conta que fazer parte do movimento significa fazer parte da mudança. “É poder inquietar outras pessoas, incentivar outras formas de ver, consumir e compreender a moda”, conta a representante.



ESCRITO POR Rebeca Dias
Jornalista e mestranda em Linguagens, Mídia e Arte na PUC-Campinas trabalha com moda e comunicação e é embaixadora e voluntária do movimento Fashion Revolution no Brasil.



Jornalista e mestranda em Linguagens, Mídia e Arte na PUC-Campinas trabalha com moda e comunicação e é embaixadora e voluntária do movimento Fashion Revolution no Brasil.


COMPARTILHAR

COMENTÁRIOS

LEIA MAIS EM Moda

31 de janeiro

Yves Saint Laurent: “o último grande costureiro do mundo”

Conheça a história do estilista que revolucionou a imagem e o modo de vestir das mulheres

por Guilherme de Beauharnais
18 de novembro

Amapô celebra o Ceará nas passarelas

Marca constrói pontes e destaca a produção de moda do estado no maior evento de...

por Zeinab Bazzi
25 de fevereiro

Cursos de moda para fazer no primeiro semestre de 2017

Cursos para você se especializar na área e garantir uma carreira de sucesso!

por Ana Paula Porto
1 de dezembro

Riccardo Tisci e Vogue Itália: o match da vez no universo fashion!

O designer italiano  – até então intitulado “eventual sucessor de Donatella Versace” -, Riccardo Tisci,...

por Julia Groppo

ÚLTIMAS POSTAGENS

Arraste para o lado
6 de novembro

Negócios em foco: 7 Reflexões sobre o Mercado de Luxo com Carlos Ferreirinha

Em palestra no Iguatemi Talks, especialista do mercado de luxo traz insights do segmento para qualquer setor

por Brenda Luchese
5 de novembro

As estratégias da Jacquemus para se tornar “queridinha” no mercado de luxo

Entenda como a marca criada por Simon Jacquemus virou fenômeno e se tornou referência do conceito de novo luxo

por Rebeca Dias
5 de novembro

Cases de Luxo: como a Burberry e Gucci se conectaram com novos consumidores

Veja como as grifes de luxo se adaptaram para atender às transformações dos novos tempos e dos consumidores

por Rebeca Dias
5 de setembro

Fure a bolha: chegou a hora do streetwear brasileiro ganhar destaque global

A consolidação da moda de rua brasileira e como designers de marcas nacionais chegaram a showroom em Paris.

por Júlia Lyz
12 de maio

Copenhagen Fashion Week: conheça semana de moda internacional sustentável

Marcas do evento que visa promover a sustentabilidade precisam respeitar ao menos 18 critérios para inscrição

por Rebeca Dias
12 de maio

Onde está a moda inclusiva? Os desafios para encontrar roupas para o público PcD

Especialista sobre o assunta aponta o preconceito como principal fator para a falta de inclusão na moda

por Beatriz Neves
12 de maio

O QUE O SXSW 2023 E O ÚLTIMO PARIS FASHION WEEK TÊM EM COMUM?

Durante o maior evento de inovação do mundo, a inteligência artificial roubou a cena e nos faz refletir o papel da moda

por Giovanna Schiavon
12 de maio

8 Perfis do Tiktok para Acompanhar e Aprender Sobre o Mercado de Moda

Muito além do look do dia e de dancinhas, o Tiktok permite a democratização e acessibilidade aos conteúdos sobre moda

por Ana Flávia Gimenez