VOCÊ ESTÁ LENDO >> Moda masculina: o homem contemporâneo pelo estilista Mário Queiroz
POR Ivan Reis | 17 de agosto

Análise de imagem: o professor e designer explica as transformações na moda masculina hoje

A moda masculina tem atraído a atenção de críticos e públicos por suas possibilidades em formas, tecidos e cores. Embarcando nessa diversidade, Mário Queiroz, professor e designer, analisa como a moda masculina está quebrando padrões e se reinventando nos últimos tempos. 

Pesquisa de arquivo, imagem e moda 

Com base nos estudos da Semiótica da Cultura e com a expertise de consultor, conhecemos a construção visual de produções das ruas e das passarelas de algumas marcas das semanas de moda para apontar tendências para o homem contemporâneo. Roupa e moda se diferenciam por necessidade e estilo. Além de cobrir o corpo, é possível se individualizar e gerar tendências e comportamentos de consumo. Indo além dessa dualidade, Mário Queiroz aborda a quebra de ocasiões para o uso das peças hoje.  Com o isolamento social, a vida, o trabalho, os costumes mudaram e a moda também. Entre o formal e o casual, a moda festa e o traje de gala, a pandemia reconfigurou limites, libertou e misturou segmentos. “Não há ocasião de uso. Hoje, se recebe Oscar em casa”, brinca o designer. 

Masculinidades e moda  

A roupa casual se incorporou ao guarda-roupa masculino nos últimos anos. A cultura do sneaker se juntou a trajes formais e cria uma alfaiataria despojada e desconstruída. É nessa mistura que marcas se especializam ao gosto de consumidores.  

Com a entrada de Virgil Abloh como diretor criativo da Louis Vuitton em 2018, as criações articulam a tradição de uma moda francesa a looks informais, com moletons, camisetas e versões inusitadas das lendárias bolsas da marca. Tantas formas de uso geram novas propostas que refletem a masculinidade hoje. “Esse homem se vê mais como um indivíduo do que como um grupo”, esclarece Mário Queiroz. Além de uma tendência, o streetwear se torna um novo paradigma associado a outros estilos, segmentos e uso das peças. 

É na evolução desse estilo que o isolamento social trazido pela pandemia pauta produções voltadas ao conforto influenciado pelo underwear em várias coleções. São tecidos mais maleáveis, proporções maiores e simplicidade na construção das peças que a moda masculina se adapta ao home office por uma necessidade. Conquistas sociais importantes também assinalaram percepções em propostas pautadas pela libertação de estereótipos do machismo e das conquistas LGBTQI+ que fazem ascender uma nova mentalidade que repudia qualquer tipo de preconceito. A roupa também revela um novo mindset. 

Nesse novo contexto, existe o homem sensível e interessado por temas relacionados à arte, à moda e que possui bom humor para transitar nesse universo e quebrar padrões. A Geração Z, representada pelos nascidos entre 1995 e 2010, adere a esse guarda-roupa e se liberta de ideias do passado.  

Em 2020, o porto de Shangai foi palco para a Louis Vuitton desfilar uma alfaiataria despojada e divertida em uma grande estrutura. (Reprodução)


“Moda masculina sem gravata e sem rótulos”
É pela (quase) falta do acessório clássico que o professor explica como o homem se liberta de preconceitos e constrói sua nova imagem de moda. Para além do homem branco, alto e forte, outros biótipos são retratados. Negros e asiáticos vem ganhando capas de revista, castings de desfiles e traduzem uma diversidade ausente há tempos. A busca por corpos reais e que se aproximam do público também cresce, como a moda plus size que chega com força no mercado.   

Em agosto de 2020, Virgil Agloh movimenta um evento de proporções astronômicas para promover a Louis Vuitton em território oriental. O porto de Shangai foi cenário para um desfile lúdico e bem-humorado que representa a mistura e a abertura do mercado têxtil. Um diretor criativo negro em uma maison centenária abre portas para o luxo no Oriente: uma mistura que deu certo.   As semanas de moda de Shangai, Taipei e Tóquio trazem imagens masculinas fortes e que destroem a concepção de que a moda para homens é única e conservadora. 

Nos tempos de desfiles presenciais, o streetstyle reinava como termômetro para sabermos o que a rua expressava nos dias em que a roupa era louvada. É assim que looks desafiam os limites entre feminino e masculino pelo uso de vestidos, coturnos, mistura de alfaiataria com jeans, maximalismo de proporções, além do estilo gótico e tradicional. São tendências, modelagens e intenções que nos fazer compreender a construção de uma nova masculinidade. 

As semanas de moda de Shangai, Taipei e Tóquio mostram produções que subvertem os padrões conhecidos da moda masculina com novas silhuetas, estampas e proporções.

Masculino plural
“São novos comportamentos e com homens que se permitem mais na moda”, aponta Mário Queiroz. Vemos surgir novas silhuetas e ideias que fazem a moda refletir as necessidades sociais e ser um instrumento de comunicação. “Há uma evolução da moda no sentido de reconhecer a masculinidade no plural”, arremata o professor.

Créditos: Reprodução/GQ/Vogue/Bazaar Men/Louis Vuitton


ESCRITO POR Ivan Reis
Ivan Reis é mestre em Linguística e apaixonado por leitura, escrita e por todo o universo de jornalismo de moda, principalmente quando se fala em moda masculina.

Ivan Reis é mestre em Linguística e apaixonado por leitura, escrita e por todo o universo de jornalismo de moda, principalmente quando se fala em moda masculina.

COMPARTILHAR

COMENTÁRIOS

LEIA MAIS EM Moda

16 de março

Curso de Moda em Londres pelo Instagram: um jeito de ter conteúdo, conhecimento na palma da mão

Já pensou em fazer um curso de moda em Londres sem precisar pegar um voo...

por Andreia Meneguete
30 de abril

Dez anos de Rana Plaza: como evitar outra tragédia no mundo da moda?

Mesmo após desastre, ainda é preciso falar sobre sustentabilidade e questionar as marcas sobre as condições de trabalho

por Rebeca Dias
13 de maio

Marcas, revistas e influencers: a falta de senso crítico na pandemia

Quando o universo fashion opta por criar narrativas alienadas e fora do contexto social

por Andreia Meneguete
15 de março

GQ Brasil sob nova direção: conheça as mudanças da revista

Agora com direção do jornalista Daniel Bergamasso, título de moda masculina ganha foco para comportamento

por Ivan Reis

ÚLTIMAS POSTAGENS

Arraste para o lado
6 de novembro

Negócios em foco: 7 Reflexões sobre o Mercado de Luxo com Carlos Ferreirinha

Em palestra no Iguatemi Talks, especialista do mercado de luxo traz insights do segmento para qualquer setor

por Brenda Luchese
5 de novembro

As estratégias da Jacquemus para se tornar “queridinha” no mercado de luxo

Entenda como a marca criada por Simon Jacquemus virou fenômeno e se tornou referência do conceito de novo luxo

por Rebeca Dias
5 de novembro

Cases de Luxo: como a Burberry e Gucci se conectaram com novos consumidores

Veja como as grifes de luxo se adaptaram para atender às transformações dos novos tempos e dos consumidores

por Rebeca Dias
5 de setembro

Fure a bolha: chegou a hora do streetwear brasileiro ganhar destaque global

A consolidação da moda de rua brasileira e como designers de marcas nacionais chegaram a showroom em Paris.

por Júlia Lyz
12 de maio

Copenhagen Fashion Week: conheça semana de moda internacional sustentável

Marcas do evento que visa promover a sustentabilidade precisam respeitar ao menos 18 critérios para inscrição

por Rebeca Dias
12 de maio

Onde está a moda inclusiva? Os desafios para encontrar roupas para o público PcD

Especialista sobre o assunta aponta o preconceito como principal fator para a falta de inclusão na moda

por Beatriz Neves
12 de maio

O QUE O SXSW 2023 E O ÚLTIMO PARIS FASHION WEEK TÊM EM COMUM?

Durante o maior evento de inovação do mundo, a inteligência artificial roubou a cena e nos faz refletir o papel da moda

por Giovanna Schiavon
12 de maio

8 Perfis do Tiktok para Acompanhar e Aprender Sobre o Mercado de Moda

Muito além do look do dia e de dancinhas, o Tiktok permite a democratização e acessibilidade aos conteúdos sobre moda

por Ana Flávia Gimenez