VOCÊ ESTÁ LENDO >> Christopher Bailey: o nome que abrilhantou a Burberry
POR Raíssa Zogbi | 11 de fevereiro

Não é um mero xadrez. É o xadrez mais famoso do mundo. É o xadrez estampado em casacos, capas, bolsas, biquínis, cintos, maiôs, bonés, gravatas e, claro, no icônico trench coat. É o xadrez que não perde a graça, mesmo com mais de 150 anos de existência. É o xadrez que ganhou releituras para buscar novos públicos. O resultado? Xeque-mate! Uma jogada de mestre. O dono do tabuleiro? Ninguém menos do que Christopher Bailey, chief creative officer e presidente da Burberry.

Christopher Bailey: o cara que tirou a Burberry do ostracismo fashion

 

Britânico da cabeça aos pés, hoje um dos mais renomados e remunerados estilistas de moda do mundo, parece ter alcançado o equilíbrio perfeito entre o tradicional e o inovador. Bailey descobriu a essência e mirou no DNA marcante da grife com total sintonia com o lema Prorsum da Burberry, que quer dizer “adiante” ou “para frente”, em latim.

A receita do sucesso está longe de ser desvendada, mas alguns ingredientes podem ser facilmente percebidos. Um deles é a intensa conexão de Christopher com o Reino Unido e, assim como a marca, ele respira Londres. Filho de um carpinteiro de classe média e de uma vitrinista da Marks & Spencer, Bailey foi criado no interior da Inglaterra e constantemente busca inspirações para suas coleções em todas as camadas sociais britânicas. Aliás, se tem uma coisa que Bailey faz com maestria é romper barreiras por meio de suas peças que carregam o andar londrino a cada canto e transforma tendência em essência, micro em macro.

E, por falar em macro, no mundo digital ele é rei. Com ousadia e sensatez, colocou a Burberry no pódio das preferidas e mais lucrativas grifes, por ser considerada uma das pioneiras no investimento online, com o contato com o público pelas redes sociais, com a transmissão de desfiles ao vivo e a aposta no modelo “see now buy now”. Em 2010, veio a primeira prova de que estava no caminho certo: conquistou a primeira edição do prêmio de Inovação Digital concedido pelo British Fashion Council (BFC), conselho de moda do Reino Unido.

Bailey é um dos responsáveis por fazer a marca ser referência nas plataformas digitais

Mas, não parou por aí. O designer deu novo fôlego fashion às coleções. No famoso trench coat, injetou boa dose de jovialidade. Tecidos metalizados, plastificados, cores, brilho e lurex trouxeram um ar completamente novo ao tradicional casaco cáqui e conquistaram os mais novos consumidores. E para badalar a marca, Bailey soube conquistar as celebridades. Hoje, a Burberry é a queridinha dos closets de ninguém menos do que Emma Watson, Kate Moss, Taylor Swift e Sienna Miller.

Mudanças? Elas não o intimidam. Com versatilidade, proatividade e uma mente estratégica, Bailey não mede esforços para criar, recriar e inovar a Burberry. E seu sucesso não nasceu na marca. Donna Karan foi o primeiro grande nome a reconhecer o talento do designer e o levou para Nova York em 1994 para integrar sua equipe de estilo feminino. Em 1996, Christopher foi trabalhar como designer sênior com Tom Ford na Gucci, em Milão, até receber o convite de entrar para a Burberry. E foi aí que explodiu. Venceu diversos prêmios e se tornou o primeiro estilista a acumular as funções de CEO e de Chief Creative Officer em uma marca. E, em um sistema de troca de estilista, ele se destaca como flexível e sempre pronto para a próxima. Da marca londrina com mais de 150 anos para o mundo. Prorsum, Bailey! (por RAÍSSA ZOGBI)



ESCRITO POR Raíssa Zogbi

COMPARTILHAR

COMENTÁRIOS

LEIA MAIS EM Moda

7 de dezembro

5 dicas para produção de conteúdo digital por Vogue Brasil

Bloco de notas à mão e veja o que as editoras da revista têm a dizer sobre o jornalismo de moda online

por Ivan Reis
31 de janeiro

Yves Saint Laurent: “o último grande costureiro do mundo”

Conheça a história do estilista que revolucionou a imagem e o modo de vestir das mulheres

por Guilherme de Beauharnais
22 de maio

GQ Brasil comemora 10 anos com diversidade no lifestyle

Com capas estreladas por Ludmilla, Ronaldo e o empresário David Vélez, a revista reformula seu projeto editorial

por Ivan Reis
11 de fevereiro

Demna Gvasalia, o nome da vez na moda

Não há duvidas de que Demna Gvasalia é o estilista do momento. Suas ideias visionárias...

por Rafaela Carazzai

ÚLTIMAS POSTAGENS

Arraste para o lado
20 de dezembro

Projeto 19M da Chanel: o fortalecimento do luxo

Com nova CEO na casa e inauguração oficial do projeto, a grife francesa promete enaltecer o artesanato de moda de luxo

por Júlia Vilaça
9 de dezembro

Jornalismo de Moda: e se a autora Clarice Lispector fosse capa da Vogue?

No mês que Clarice Lispector faria 100 anos, conheça a relação da escritora com o jornalismo de moda

por Ivan Reis
28 de agosto

Figurino do filme ‘Spencer’: o papel das marcas de moda no cinema

Filme sobre Lady Di traz figurino assinado por Chanel e mostra o poder das marcas nas narrativas em torno de biografias

por Carol Hossni
17 de agosto

O homem contemporâneo segundo Mário Queiroz

Análise de imagem: o professor e designer explica as transformações na moda masculina hoje

por Ivan Reis
10 de agosto

Vida em detalhes: na fila da vacina, vista sua esperança

Enquanto esperar é a única coisa que nos resta, as roupas moldam a cena de um futuro próxima que desejamos ter

por Ivan Reis
10 de agosto

Belly Palma: “Posso fazer o que eu quiser e do meu jeito”

Influência ativista na internet: Izabelle Palma é a nova voz quando se fala em moda, diversidade e inclusão no Brasil

por Ivan Reis
11 de junho

Moda e woke-washing: a mercantilização do corpo preto em um novo patamar

Jornalista Viviane Rocha relata o sequestro da humanidade das pessoas pretas

por Viviane Rocha
9 de junho

Semiótica da moda: análise do filme “Disturbing Beauty”, da Dior

Semioticista Clotilde Perez analisa os significados da beleza no novo filme da Dior

por Clotilde Perez