VOCÊ ESTÁ LENDO >> GQ Brasil sob nova direção: conheça as mudanças da revista
POR Ivan Reis | 15 de março

Agora com direção do jornalista Daniel Bergamasso, título de moda masculina ganha foco para comportamento

A revista GQ Brasil – publicação do grupo Globo Condé Nast, responsável por Vogue, Casa Vogue e Glamour -, aborda novos domínios atingidos pela Ciência com a conectividade da informação online em sua edição de fevereiro. Com capas estreladas por personalidades da mídia digital e acadêmica, como Gabriela Prioli e Djamila Ribeiro, a edição tem nova abordagem em assuntos de moda, estilo e cultura com a estreia de Daniel Bergamasso como editor de conteúdo.

Djamila Ribeiro, Gabriela Prioli, Edu Lyra e Guilherme Benchimol estrelam as capas de fevereiro da GQ Brasil que aborda como a Ciência vem ganhando público além dos muros da universidade na era digital. A edição também marca a estreia de Daniel Bergamasso como editor de conteúdo da revista.

Por dentro da Gentleman’s Quartely

Lançada em 1957 no Estados Unidos como Apparel Arts, a Gentlemen’s Quarterly (GQ) foi uma publicação associada à revista masculina norte-americana Esquire. Em 1983, com as transformações da Conde Nast Publications e do editor Art Cooper, o título se torna essencialmente masculino.

Hoje, a GQ é uma revista mensal presente em dezoito países sobre moda, beleza, comportamento e negócios para o homem. No Brasil, o título chegou em 2011 sob o comando do jornalista Ricardo Cruz e Sylvain Justum como editor de moda. 

Termômetro da informação

Formato tradicional da mídia impressa, o estilo magazine – tanto em impressão como em construção de texto – é voltado a um público segmentado por assuntos, personagens e imagens que compõem sua linha editorial.

A curadoria de conteúdo da GQ Brasil é voltada ao homem urbano, sofisticado, atento aos lançamentos de carros, negócios, livros, roupas e não poupa esforços para curtir uma paisagem paradisíaca no fim de semana. Entendendo o ritmo da publicação, percebemos os critérios de seleção e ordem dos assuntos. É esquentar o conteúdo até a matéria de capa e prender o leitor até o final.  

Nesta última edição, assuntos mais leves e com forte apoio visual lideram as primeiras colocações. A editoria GQ Essencial traz textos enxutos que ocupam páginas com fotografias e ilustrações. Pousadas, cuidados com plantas e imagens de página dupla abrem matérias de interesse geral. A resenha bastante impressiva sobre o romance mais comentado deste verão – Torto Arado, de Itamar Vieira Junior –, receitas e dicas de drinques também preenchem páginas com texto e imagem.

Iluminismo digital

Três matérias encabeçam a edição pelas quatro capas protagonizadas pela filósofa e professora universitária Djamila Ribeiro, a apresentadora e advogada Gabriela Prioli e os empreendedores sociais Edu Lyra e Guilherme Benquimol.

Em GQ Especial Redes Sociais, Alessandra Medina assina Os influenciadores do conhecimento e mostra como a Ciência vem ganhando público fora dos muros das universidades. Seja levantando questões sobre racismo com livros e talks como Djamila Ribeiro ou debatendo pautas políticas em várias mídias como Gabriela Prioli, a presença digital traduz e esclarece assuntos que nem sempre alcançaram uma audiência maior.

Antes da pandemia, a conectividade no mercado corporativo entre empregados e empregadores via LinkedIn já era conhecida como uma espécie de Tinder para oportunidades de trabalho. Com conteúdo diversificado, a métrica dos Top Influencers – título atribuído a Edu Lyra e a Guilherme Benquimol por seus projetos sociais -, ranqueia campeões de engajamento no mercado de liderança com pautas sobre boas práticas ambientais, sociais e governamentais na cultura empresarial.

Entre likes e seguidores, Leonardo Ávila relata o comportamento inautêntico nas redes praticado por quem ganha dinheiro ao interagir com quem compra engajamento e visibilidade. Diário de um seguidor de aluguel é a experiência do jornalista em um perfil de Instagram comandado por um robô para seguir e comentar contas desconhecidas. Se alcance e números são relevantes para alguns, há os que pagam para tê-los.

Estilo, manual do usuário

A editoria de moda é um dos diferenciais da revista. Em outras edições, rendia conteúdo com mais texto e menos imagem. Com muita surpresa, a editoria GQ Manual – Estilo traz produções de passarela ilustrando tendências. Alfaiataria, militarismo e produções minimalistas foram as escolhas de Gabriel Ferriani, stylist da revista, para imagens de campanhas e passarelas em páginas duplas. Muito diferente de um passado em que moda se valia por editoriais e perfis de estilistas e personalidades do meio fashion. Uma forma mais didática de abordar estilo para o público masculino com boas imagens e textos enxutos faz o conteúdo ser certeiro e relevante.

Em Knock Out, movimentos do boxe incorporam peças esportivas e uma sequência de fotografias celebra o espírito aventureiro da parceria entre as marcas The North Face e Gucci. Duas gigantes do mercado se unem na colab de casacos, calçados e camisetas em Coleção de aventuras.

Em tempos de incertezas, é esperançoso que o título volte com seus produtos derivados. Semestralmente, a GQ Style é publicada com curadoria dedicada à moda com entrevistas, editoriais e matérias assinadas por jornalistas que marcaram época, como Erika Palomino e Jorge Wakabara. O prêmio Men of the Year, evento anual da revista, elege os destaques nas áreas artística, social e corporativa e é possível que volte com as transformações do título. Outro evento é o Gentleman’s Day em parceria com o shopping Iguatemi em que um dia é dedicado a ações com música, serviços de personalização e lançamento da revista nas lojas de marcas parceiras como Gucci, Prada, Montblanc entre outras.

 

Nas redes do futuro

Nas transformações que a mídia impressa passa pela incorporação do digital, a revista se adapta aos novos tempos. Nesse ecossistema de versões online, site e redes sociais – como o recente perfil no TikTok -, linguagem, formatos e abordagens guiam passos e interesses de seus leitores. A publicação se torna uma plataforma de conteúdo que articula estratégias dos meios impresso, digital e iniciativas que exaltam o DNA da revista.

Por novas formas de pensar a reformulação do título, a GQ Brasil inicia seu percurso dentro do espírito do seu tempo e de sua linha editorial. Nas palavras de Daniel Bergamasso, “é preciso, afinal, que andem juntos o conteúdo e a forma, o atemporal e a novidade, a ética e a estética, e os complementos e contrastes de todas as pontas”, aponta o novo editor de conteúdo da revista.



ESCRITO POR Ivan Reis
Ivan Reis é mestre em Linguística e apaixonado por leitura, escrita e por todo o universo de jornalismo de moda, principalmente quando se fala em moda masculina.

Ivan Reis é mestre em Linguística e apaixonado por leitura, escrita e por todo o universo de jornalismo de moda, principalmente quando se fala em moda masculina.

COMPARTILHAR

COMENTÁRIOS

LEIA MAIS EM Business

16 de março

Curso de Moda em Londres pelo Instagram: um jeito de ter conteúdo, conhecimento na palma da mão

Já pensou em fazer um curso de moda em Londres sem precisar pegar um voo...

por Andreia Meneguete
15 de março

Grande Hotel Ronaldo Fraga

Vindo da mente de um dos mais inusitados e inquietos estilistas do Brasil, não era...

por Raíssa Zogbi
11 de fevereiro

Demna Gvasalia, o nome da vez na moda

Não há duvidas de que Demna Gvasalia é o estilista do momento. Suas ideias visionárias...

por Rafaela Carazzai
17 de junho

Vogue América: relatos de racismo e falta de diversidade

A lendária editora-chefe da Vogue americana, Anna Wintour, está envolvida em relatos de discriminação e...

por Ivan Reis

ÚLTIMAS POSTAGENS

Arraste para o lado
20 de dezembro

Projeto 19M da Chanel: o fortalecimento do luxo

Com nova CEO na casa e inauguração oficial do projeto, a grife francesa promete enaltecer o artesanato de moda de luxo

por Júlia Vilaça
9 de dezembro

Jornalismo de Moda: e se a autora Clarice Lispector fosse capa da Vogue?

No mês que Clarice Lispector faria 100 anos, conheça a relação da escritora com o jornalismo de moda

por Ivan Reis
28 de agosto

Figurino do filme ‘Spencer’: o papel das marcas de moda no cinema

Filme sobre Lady Di traz figurino assinado por Chanel e mostra o poder das marcas nas narrativas em torno de biografias

por Carol Hossni
17 de agosto

O homem contemporâneo segundo Mário Queiroz

Análise de imagem: o professor e designer explica as transformações na moda masculina hoje

por Ivan Reis
10 de agosto

Vida em detalhes: na fila da vacina, vista sua esperança

Enquanto esperar é a única coisa que nos resta, as roupas moldam a cena de um futuro próxima que desejamos ter

por Ivan Reis
10 de agosto

Belly Palma: “Posso fazer o que eu quiser e do meu jeito”

Influência ativista na internet: Izabelle Palma é a nova voz quando se fala em moda, diversidade e inclusão no Brasil

por Ivan Reis
11 de junho

Moda e woke-washing: a mercantilização do corpo preto em um novo patamar

Jornalista Viviane Rocha relata o sequestro da humanidade das pessoas pretas

por Viviane Rocha
9 de junho

Semiótica da moda: análise do filme “Disturbing Beauty”, da Dior

Semioticista Clotilde Perez analisa os significados da beleza no novo filme da Dior

por Clotilde Perez