VOCÊ ESTÁ LENDO >> Erdem resgata em desfile história de Emma Hamilton, célebre cortesã inglesa
POR Guilherme de Beauharnais | 22 de setembro

Coleção foi inspirada em uma das mais famosas cortesãs da Inglaterra e amante de Lorde Nelson, arqui-inimigo de Napoleão

A moda quando flerta com a literatura e fatos históricos faz muita gente vibrar com o resultado sensorial. Na última segunda-feira (21/09), o canadense Erdem Moralioglu apresentou, no antigo Bosque de Epping, em Londres, o desfile de primavera/verão 2021 de sua marca homônima, fundada em 2005. Os 37 modelos que compuseram a coleção foram inspirados na obra que acompanhou o estilista durante os últimos meses de quarentena: “O Amante do Vulcão”, de Susan Sontag, publicada pela primeira vez em 1992. O romance histórico é ambientado na Era Regencial (1795 – 1837) e se baseia na vida escandalosa de Emma Hamilton, uma das mais famosas cortesãs da Inglaterra e amante de Lorde Nelson, arqui-inimigo de Napoleão Bonaparte.

Estética feminina das roupas com o olhar para um futuro de pouco controle é a reflexão que a Erdem traz para a passarela ao unir sua narrativa à história de uma cortesão inglesa | Foto: Reprodução The Impression Courtesy of Press Office


REFLEXÕES, CONTRASTES E SHAPES
Construindo um paralelo entre dois momentos de crise (a época de Emma, marcada por guerras e revoluções, e o atual cenário pandêmico global) através de suas criações, Erdem fez jus à sua proposta de encontrar, com a nova coleção, “a beleza em um tempo que é feio”. Um dos vestidos compridos em branco (em estilo chemisier, comum no fim do século XVIII), ostenta uma profunda gola U, estampa floral vermelha, um longo lanço negro amarrado na frente, outro no ombro direito e um terceiro na altura do decote, e mangas curtas bufantes, moda que evoca o ideal de beleza clássico que, sem dúvida, Emma teria adorado e ajudado a popularizar.

Além disso, Erdem referenciou a vida militar do famoso amante de Emma, o almirante Horatio Nelson, na forma de jaquetas e outros casacos similares aos redingotes – igualmente populares na época. É o caso de um exagerado casaqueto em jacquard verde-oliva, com fitas de gorgorão na cintura e bordados negros nas mangas, bem como da comprida jaqueta em azul marinho com estampa de flores brancas, acompanhada de um vestido nos mesmos tons e um par de longas luvas pretas. O comprimento das peças revela sapatos plataforma (presentes em todos os looks), e que divergem discretamente da leveza e sutileza da estética regencial.

A maioria das modelos trazia no pescoço um lenço branco, enfeitado com um laço de gorgorão colorido. Em um deles, pendia um delicado pingente de pérolas, que caía sobre um vestido branco (similar às famosas gaulles da época) e cuja cintura foi marcada com três finas fitas negras na frente. Esse tipo de vestido foi popularizado na Inglaterra ainda antes de Emma por sua predecessora em matéria de estilo, a Duquesa de Devonshire.

Os vestidos chemisiers eram muito utilizados na Inglaterra do final do século XVIII, em especial a “gaulle”, popularizada pela Duquesa de Devonshire e revisitada por Erdem nessa coleção. O estilista também incluiu entre os modelos elementos mais modernos, como os decotes amplos e os cardigãs. | Foto: Reprodução The Impression Courtesy of Press Office

Mas há também muito do moderno nas criações de Erdem, como o decote amplo, revelando os ombros, muito explorado por Christian Dior nos anos 1950, que aparece em um casaco branco com flores pretas e amarelas amarrado na cintura, sobre uma saia estampada com plantas em verde escuro. Outro elemento de tempos mais recentes é o cardigã (em tons de verde e ocre), em referência ao guarda-roupa da autora por trás da obra inspiradora da coleção, Susan Sontag, assim como as calças, que também marcaram presença (o jeans faz uma única e discreta aparição por debaixo de uma saia longa abotoada, com estampa de flores vermelhas e azuis).

O estilista aproveitou a estética regencial de Emma Hamilton, com os vestidos longos e as mangas curtas bufantes, mas tomou liberdade na cartela de cores. Alguns elementos militares, como as jaquetas longas e os casquetos, referenciaram a relação da cortesã com o almirante Nelson, inimigo de Napoleão Bonaparte | Fotos: Reprodução Vogue).

TOM ESCAPISTA PARA UM VIDA COTIDIANA DE DESAFIOS
As referências seculares de elegantes cortesãs, mescladas a banalidade das peças contemporâneas, revelam não apenas a harmonia das peças de Erdem com a nova estação – através das estampas florais –, mas também constróem a mais adequada idealização para o momento atual: aquela em que esforça para florescer diante das dificuldades. E que melhor época para fazer prosperar os encantos pessoais se não a primavera?



ESCRITO POR Guilherme de Beauharnais

COMPARTILHAR

COMENTÁRIOS

LEIA MAIS EM Moda

9 de dezembro

Jornalismo de Moda: e se a autora Clarice Lispector fosse capa da Vogue?

No mês que Clarice Lispector faria 100 anos, conheça a relação da escritora com o jornalismo de moda

por Ivan Reis
13 de novembro

Gabi Silvarolli mostra como liderar uma marca tradicional

Herdeira da Corello lança sua linha de calçados e dá lição de business e liderança em tempos de crise

por Andreia Meneguete
15 de março

Grande Hotel Ronaldo Fraga

Vindo da mente de um dos mais inusitados e inquietos estilistas do Brasil, não era...

por Raíssa Zogbi
7 de dezembro

5 dicas para produção de conteúdo digital por Vogue Brasil

Bloco de notas à mão e veja o que as editoras da revista têm a dizer sobre o jornalismo de moda online

por Ivan Reis

ÚLTIMAS POSTAGENS

Arraste para o lado
20 de dezembro

Projeto 19M da Chanel: o fortalecimento do luxo

Com nova CEO na casa e inauguração oficial do projeto, a grife francesa promete enaltecer o artesanato de moda de luxo

por Júlia Vilaça
9 de dezembro

Jornalismo de Moda: e se a autora Clarice Lispector fosse capa da Vogue?

No mês que Clarice Lispector faria 100 anos, conheça a relação da escritora com o jornalismo de moda

por Ivan Reis
28 de agosto

Figurino do filme ‘Spencer’: o papel das marcas de moda no cinema

Filme sobre Lady Di traz figurino assinado por Chanel e mostra o poder das marcas nas narrativas em torno de biografias

por Carol Hossni
17 de agosto

O homem contemporâneo segundo Mário Queiroz

Análise de imagem: o professor e designer explica as transformações na moda masculina hoje

por Ivan Reis
10 de agosto

Vida em detalhes: na fila da vacina, vista sua esperança

Enquanto esperar é a única coisa que nos resta, as roupas moldam a cena de um futuro próxima que desejamos ter

por Ivan Reis
10 de agosto

Belly Palma: “Posso fazer o que eu quiser e do meu jeito”

Influência ativista na internet: Izabelle Palma é a nova voz quando se fala em moda, diversidade e inclusão no Brasil

por Ivan Reis
11 de junho

Moda e woke-washing: a mercantilização do corpo preto em um novo patamar

Jornalista Viviane Rocha relata o sequestro da humanidade das pessoas pretas

por Viviane Rocha
9 de junho

Semiótica da moda: análise do filme “Disturbing Beauty”, da Dior

Semioticista Clotilde Perez analisa os significados da beleza no novo filme da Dior

por Clotilde Perez