VOCÊ ESTÁ LENDO >> Betty Catroux, musa de Yves Saint Laurent, ganha exposição em Paris
POR Guilherme de Beauharnais | 21 de fevereiro

Museu Yves Saint Laurent Paris inaugura exposição “Féminin Singulier” em homenagem a uma das musas do estilista,

No último dia da Semana de Moda de Paris, que começa em 24/02 e se estende até 03/03, o Museu Yves Saint Laurent Paris irá inaugurar a exposição “Féminin Singulier” (Feminino Singular), em homenagem a uma das mais famosas musas do estilista, a modelo Betty Catroux. Com curadoria do atual diretor criativo da grife Saint Laurent, Anthony Vaccarello, a mostra contará com 50 peças que pertenceram a modelo e ficará em cartaz até outubro.

Apesar da enorme afinidade e genuína admiração mútua, a amizade de Yves e Betty – como era comum nas relações do estilista – sempre se manteve superficial e as festas e as drogas eram o principal elo entre essas duas figuras. Foto: Musée Yves Saint Laurent Paris

A doação foi feita para a Fundação Pierre Bergé – Yves Saint Laurent, que foi criada em 2002 para conservar o trabalho de estilista, seguindo sua decisão de se aposentar e fechar o ateliê de alta-costura. Após a morte de Bergé em 2016, o controle da Fundação passou para Madison Cox, viúvo de empresário, que deu carta branca para que Vaccarello organizasse a exposição a partir das 184 peças de alta-costura e 138 de prêt-à-porter (além de bolsas e acessórios) doadas por Catroux recentemente.

Nasce uma Musa

Filha única de uma socialite franco-brasileira e um diplomata norte-americano, Betty Saint nasceu em 1945 e passou parte da infância no Brasil, até se mudar definitivamente para Paris, em 1949. A fisionomia de Betty era incomum para a época, mas nos anos 70 se tornaria ideal para o contexto: uma mistura de características irlandesas, italianas e alemãs, com altura e formas mais “masculinas” (concepção da época).

Aos 17 anos, Betty começou a trabalhar para a própria Coco Chanel, por indicação de uma amiga de sua mãe. Em 1967, casou-se com o designer François Catroux e, no mesmo ano, conheceu aquele que seria sua “alma gêmea” – nas palavras do próprio –, Yves Saint Laurent, na boate parisiense Chez Régine. No ano seguinte, ambos conheceriam Loulou de la Falaise, que completaria o icônico trio que marcou a Paris dos anos 70.

O encontro com Catroux surgiu em uma época significativa na vida de Saint Laurent. Pouco antes de conhecê-la, ele havia se apaixonado pelo Marrocos e estava encantado com os prazeres oferecidos pelo lugar. Além disso, ele havia acabado de criar o le smoking, que brincava com a temática da não-binaridade e combinava perfeitamente com o quadril e o busto diminutos de Betty.

Divertida e inspiradora

Apesar da enorme afinidade e genuína admiração mútua, a amizade de Yves e Betty – como era comum nas relações do estilista – sempre se manteve superficial e as festas e as drogas eram o principal elo entre essas duas figuras. Bergé demorou muitos anos para aceitar completamente a presença da modelo no círculo de amizades do estilista, que acusava ser uma má influência.

Ironicamente, Betty nunca gostou da indústria da moda. Era desinteressada em seu próprio guarda-roupa – que deixava a cargo de Yves – e recusou uma oferta de trabalhar no ateliê. Visitava Saint Laurent apenas para contar fofocas e histórias divertidas, como fez por quase 40 anos, até a morte do estilista, em 2008.

Betty Catroux, hoje com 75 anos, foi – e é – a materialização de muitos aspectos da grife Saint Laurent. Sua vivacidade, despreocupação e não-binaridade encantavam o estilista, que traduziu essas características em muitas coleções. Anthony Vaccarello ressalta que ela “vive e respira Saint Laurent”. A exposição, com suas dezenas de peças doadas, é uma excelente forma de exaltar a essência da marca em tom nostálgico e gera desejo atual, especialmente em quem vai passar por Paris até outubro.



ESCRITO POR Guilherme de Beauharnais

COMPARTILHAR

COMENTÁRIOS

LEIA MAIS EM Moda

23 de janeiro

Schiaparelli homenageia fundadora em coleção de alta-costura

Maison cria um elegante delírio e repensa signos que fazem parte do legado da italiana

por Guilherme de Beauharnais
9 de junho

Semiótica da moda: análise do filme “Disturbing Beauty”, da Dior

Semioticista Clotilde Perez analisa os significados da beleza no novo filme da Dior

por Clotilde Perez
15 de março

Grande Hotel Ronaldo Fraga

Vindo da mente de um dos mais inusitados e inquietos estilistas do Brasil, não era...

por Raíssa Zogbi
13 de novembro

Gabi Silvarolli mostra como liderar uma marca tradicional

Herdeira da Corello lança sua linha de calçados e dá lição de business e liderança em tempos de crise

por Andreia Meneguete

ÚLTIMAS POSTAGENS

Arraste para o lado
20 de dezembro

Projeto 19M da Chanel: o fortalecimento do luxo

Com nova CEO na casa e inauguração oficial do projeto, a grife francesa promete enaltecer o artesanato de moda de luxo

por Júlia Vilaça
9 de dezembro

Jornalismo de Moda: e se a autora Clarice Lispector fosse capa da Vogue?

No mês que Clarice Lispector faria 100 anos, conheça a relação da escritora com o jornalismo de moda

por Ivan Reis
28 de agosto

Figurino do filme ‘Spencer’: o papel das marcas de moda no cinema

Filme sobre Lady Di traz figurino assinado por Chanel e mostra o poder das marcas nas narrativas em torno de biografias

por Carol Hossni
17 de agosto

O homem contemporâneo segundo Mário Queiroz

Análise de imagem: o professor e designer explica as transformações na moda masculina hoje

por Ivan Reis
10 de agosto

Vida em detalhes: na fila da vacina, vista sua esperança

Enquanto esperar é a única coisa que nos resta, as roupas moldam a cena de um futuro próxima que desejamos ter

por Ivan Reis
10 de agosto

Belly Palma: “Posso fazer o que eu quiser e do meu jeito”

Influência ativista na internet: Izabelle Palma é a nova voz quando se fala em moda, diversidade e inclusão no Brasil

por Ivan Reis
11 de junho

Moda e woke-washing: a mercantilização do corpo preto em um novo patamar

Jornalista Viviane Rocha relata o sequestro da humanidade das pessoas pretas

por Viviane Rocha
9 de junho

Semiótica da moda: análise do filme “Disturbing Beauty”, da Dior

Semioticista Clotilde Perez analisa os significados da beleza no novo filme da Dior

por Clotilde Perez