VOCÊ ESTÁ LENDO >> Carreira fashion: o que é preciso saber sobre jornalismo de moda
POR Ivan Reis | 22 de maio

Do impresso ao digital, a jornalista Andreia Meneguete analisa as transformações de um jornalismo que se reinventa no tempo 

Em um mundo cada vez mais acelerado, falar de roupas pode parecer irrelevante. Para alguns, a moda ainda é vista como futilidade, mas é o radar do mundo. Em mais de 10 anos no jornalismo feminino, Andreia Meneguete está há 3 anos à frente da IAM Inteligência em Moda, um hub de conhecimento, para quem pensa e faz moda, com mentorias, cursos, palestras e grupo de estudos.

“O jornalismo de moda não se trata apenas de informar o que será vestido nas próximas estações do ano, assistir a desfiles ou saber a cor tendência da nova estação. É muito mais do que isso, é sobre sociedade e suas manifestações”, sinaliza Andreia Meneguete

É a paixão pela moda de uma perspectiva crítica e pela experiência em grandes títulos – como Glamour, Vogue e Elle Brasil -, que a jornalista diz o que é preciso saber sobre jornalismo de moda que se reinventa em meio a tantas transformações sociais e tecnológicas.

Ligando o radar
É essencial saber o que acontece no mundo. Assim como em outras áreas do jornalismo, trazer informação relevante e de qualidade é fetiche de todo jornalista. Na moda, isso não é diferente. Portais como WWD, FFW, The Cut, BOF, The New York Times, além de títulos nacionais e internacionais, como jornais e revistas de moda, são fontes de inspiração para pautas, matérias, além de referências de imagem e texto. É como um moodboard que afina o faro para a notícia inédita: o famoso furo jornalístico.

 “Ser jornalista é entender de tudo um pouco para identificar o que impacta a moda em sentido amplo”, afirma a jornalista Andreia Meneguete. Isso mostra o quanto a moda está ligada ao Zeitgeist (espírito do tempo) e como reflete as transformações na política, na economia e em tantos setores que afetam a produção de roupas, as propostas de marcas e novos comportamentos de consumo.

No meio de tanta informação, é preciso buscar e cultivar fontes confiáveis e consistentes para fazer jornalismo sério. Checar fatos é garantia de credibilidade em qualquer mídia. “Ser jornalista exige observar a sociedade, ser responsável pela tradução de códigos e comportamentos sociais que nos rodeiam”, enfatiza Meneguete. Em tempos de fake news, todo cuidado é pouco.

Cultura e crítica de moda
Nem só de roupas vive o jornalismo de moda. Com as transformações da mídia para o ambiente digital, o bom jornalista deve estar atento ao movimento do mundo e à moda que acompanha esse ritmo.

Desfiles abandonaram salas abarrotadas de flashes e se proliferaram em alta resolução com criatividade, inovação e certa dose de escapismo. Cenário, trilha sonora, efeitos especiais, casting e tantos outros formatos deram à passarela uma nova função que deixa de observar apenas a roupa em movimento. Com olhos e sentidos bem abertos, a crítica lê a moda com lentes de aumento para avaliar estilos, apostas e percalços de criações e criadores.

“Ser jornalista exige observar a sociedade, ser responsável pela tradução de códigos e comportamentos sociais que nos rodeiam”, enfatiza Andréia Meneguete.

Dando à moda um viés cultural, tecidos, cores e modelagens são vistos em um conjunto social. Por isso, para entender tantos conceitos e criações, a cultura de moda é tão essencial para perceber significados e referências passarelas afora. Esse olhar apurado vai além ao relacionar o que estamos vivendo em face de como a moda reflete esse pulso do mundo. Um movimento de mão dupla impulsionado pela novidade em direção ao futuro.

Capas de revista são um dos exemplos de como a imagem na moda traduz o espírito do tempo. É o caso das edições brasileiras de Elle e Vogue ao retratar duas estéticas de corpo diferentes e que já sinalizam quebra de padrões.

Costurando ideias: o texto de moda
Em se tratando de jornalismo, momentos únicos são transformados em textos. Após o trabalho de apuração cuidadosa, o texto pede objetividade, clareza, rigor na escolha de palavras e formatos certeiros. Um bom trabalho jornalístico costura ideias para prender o leitor até a última linha.

Além do modelo clássico – o lead jornalístico que responde às perguntas O que? Quem? Quando? Onde? Porque? – a pauta é um documento que esclarece como o texto será escrito e publicado. Em um veículo de comunicação (revista, jornal ou site), editorias separam assuntos diferentes. A partir de um tema, o recorte será aprofundado por um especialista no assunto – as famosas fontes. Decidindo a existência da matéria, um bom gancho é necessário para publicar o texto na hora certa e com o apoio de imagens que ajudem a compreensão.

Semiótica da moda: cada revista trabalha a construção de uma imagem de moda levando para o seu leitor a sua linha editorial e forma de ver o mundo

Para muitos leitores, existem diferentes publicações. Gisele Bündchen é uma personagem bastante recorrente em matérias de moda. Inúmeros veículos já a abordaram de acordo com sua linha editorial. Se o corpo da modelo é alvo de um portal de saúde, o convívio com a família e a educação dos filhos é a chamada de capa de uma revista de comportamento feminina cujo público certamente já passou pela maternidade. Para cada linha editorial, um enfoque diferente.

Além das técnicas do jornalismo, é preciso ter conhecimento para enriquecer o texto. Assuntos que cercam a moda são importantes para produzir pautas cada vez mais antenadas. História da moda, Sociologia, comportamento de consumo, além de construção e posicionamento no ambiente digital servem de base para conhecer e abordar toda a engrenagem da moda. “Quem não lê, não escreve”, crava Andreia Meneguete. ”Ter fundamento para falar de moda e um olhar apurado são essenciais para textos com bons insights”, completa a jornalista.

Ponto de análise social: a jornalista Juliana Romano na Elle Brasil revelam novas formas de representação do corpo que ganha força com o tempo

 

Reunião de pauta para o futuro
“Cada vez que aparece um suporte, vemos como existem muitas maneiras de comunicar moda”. Essa frase da jornalista resume bem o que o jornalismo de moda tem passado nos últimos anos. Acompanhando transformações sociais e tecnológicas, os formatos da notícia também mudaram.

Boa parte dos jornalistas de moda foram formados por redações de jornal e revista. Formatos de mídia consagrados, a qualidade de textos e imagens cativou leitores por gerações. Editores de conteúdo, assistentes, redatores, repórteres e estagiários iam à loucura desde reuniões de pauta para programar edições até fechamentos com prazos insanos.

O conteúdo: a pauta é a alma da revista, é nela que se constrói o posicionamento da linha editorial adotada pelo veículo de moda

Hoje, a revista mudou suas estratégias para se manter relevante no mercado. O que somente as editoras de moda sabiam o que acontecia nos desfiles, as redes sociais escancaram para o mundo ao vivo. Com a conectividade sem fio e sem limites, surgiram outras formas de noticiar moda. “A revista deixa de ser apenas um produto impresso e se torna uma marca que se posiciona no universo digital”, reforça Andreia Meneguete.

Um caso que repercutiu bastante é a Elle Brasil. Em 2018, a revista impressa foi descontinuada pela Editora Abril. Três anos depois, o título volta pela Editora Papaki como um site, com podcast semanal e com edições impressas trimestrais em acabamento de luxo. Em questões de estilo, a revista, hoje, por ter uma durabilidade maior, prioriza pautas e textos mais analíticos, com conteúdo mais apurado e premium. São novos tempos e outra experiência de leitura.

Para a produção de conteúdo digital, o texto também se adaptou. Obedecendo às regras de SEO (Search Engine Optimization) que ajudam a ranquear textos em sites de busca, as matérias ficaram mais enxutas, com palavras-chave bem destacadas, boas imagens e timing certeiro de publicação para conquistar cliques e engajamento nas redes sociais.

Andréia Meneguete, jornalista e fpunder da IAM Inteligência de Moda, acredita que é possível pensar e fazer moda com consistência e construção de um pensamento crítico

De todos os momentos que já viveu no jornalismo, Andreia Meneguete afirma que a criação da I AM Inteligência em Moda foi um grande insight para reunir ideias, pessoas e muito trabalho.

Com toda a intensidade e a criatividade de sua criadora, a plataforma encontra seu jeito de falar de moda de forma colaborativa, com pautas consistentes sobre mercado, consumo e jornalismo de moda. “Vou percebendo cada vez mais que a I AM é mais do que uma plataforma de conhecimento. Não teria algo tão mais a minha cara do que a I AM”, se entusiasma a jornalista em post comemorativo aos 3 anos de sucesso do projeto.



ESCRITO POR Ivan Reis
Ivan Reis é mestre em Linguística e apaixonado por leitura, escrita e por todo o universo de jornalismo de moda, principalmente quando se fala em moda masculina.

Ivan Reis é mestre em Linguística e apaixonado por leitura, escrita e por todo o universo de jornalismo de moda, principalmente quando se fala em moda masculina.

COMPARTILHAR

COMENTÁRIOS

LEIA MAIS EM Moda

13 de novembro

Gabi Silvarolli mostra como liderar uma marca tradicional

Herdeira da Corello lança sua linha de calçados e dá lição de business e liderança em tempos de crise

por Andreia Meneguete
9 de junho

Semiótica da moda: a sensibilidade penetrante de Dior em “Disturbing Beauty”

Semioticista Clotilde Perez analisa os significados da beleza no novo filme da Dior

por Clotilde Perez
22 de maio

GQ Brasil comemora 10 anos com diversidade no lifestyle

Com capas estreladas por Ludmilla, Ronaldo e o empresário David Vélez, a revista reformula seu projeto editorial

por Ivan Reis
1 de junho

Jornada nas Estrelas: a Moda e o Espaço Sideral

O início de uma nova fase na Era Espacial pelo lançamento da nave Dragon Crew...

por Guilherme de Beauharnais

ÚLTIMAS POSTAGENS

Arraste para o lado
11 de junho

Moda e woke-washing: a mercantilização do corpo preto em um novo patamar

Jornalista Viviane Rocha relata o sequestro da humanidade das pessoas pretas

por Viviane Rocha
9 de junho

Semiótica da moda: a sensibilidade penetrante de Dior em “Disturbing Beauty”

Semioticista Clotilde Perez analisa os significados da beleza no novo filme da Dior

por Clotilde Perez
22 de maio

Carreira fashion: o que é preciso saber sobre jornalismo de moda

Do impresso ao digital, a jornalista Andreia Meneguete analisa as transformações de um jornalismo que se reinventa no tempo 

por Ivan Reis
22 de maio

GQ Brasil comemora 10 anos com diversidade no lifestyle

Com capas estreladas por Ludmilla, Ronaldo e o empresário David Vélez, a revista reformula seu projeto editorial

por Ivan Reis
22 de abril

Balen-gucci: o que fica da união de duas marcas potentes?

Em uma união inesperada com Balenciaga, Gucci traz à luz que quando se reformulam os signos, mudam-se significados

por Andreia Meneguete
15 de março

Para ler: 5 livros para entender moda masculina

Quer saber mais sobre moda masculina? Então, veja os livros que separamos para você iniciar a sua jornada de estudos

por Ivan Reis
15 de março

GQ Brasil sob nova direção: conheça as mudanças da revista

Agora com direção do jornalista Daniel Bergamasso, título de moda masculina ganha foco para comportamento

por Ivan Reis
30 de dezembro

IAM EDIT #01: o que fazer com os aprendizados de 2020

Ufa, 2020 parece que está chegando ao fim. E a gente tenta fazer uma retrospectiva do que realmente aconteceu e vivemos.

por Andreia Meneguete