VOCÊ ESTÁ LENDO >> Projeto 19M da Chanel: o fortalecimento do luxo
POR Júlia Vilaça | 20 de dezembro

Com nova CEO na casa e inauguração oficial do projeto, a grife francesa promete enaltecer o artesanato de moda de luxo

Uma das maisons francesas mais renomadas trouxe muitas novidades no último mês de 2021. Na primeira quinzena de dezembro, a Chanel proporcionou mais um desfile Métiers d’Art, inaugurou oficialmente o 19M e, ainda, anuncionou Leena Nair como nova CEO da grife. A executiva da Unilever assume o cargo em janeiro e trabalhará em Londres.  Todas essas novidades culminam no grande objetivo da marca que é o de enaltacer e preservar o mercado de luxo como uma forma de produção de arte. 

Anunciado em 2019, o 19M tem o objetivo de reunir diversas empresas que são consideradas as principais casas especializadas da divisão Paraffection da Chanel.

Métiers d’Art e a inauguração do 19M

O desfile anual do Métiers d’Art é um dos mais aguardados pela industria. A junção da moda de luxo com o arranjo artístico dos artesãos, oferece aos espectadores dos desfiles peças facilmente comparáveis a artefatos de museu. 

No último dia 7, aconteceu o último dessa série que, não somente marcou uma reviravolta arquitetônica da grife por parte da sua diretora criativa Virginie Viard, como determinou a inauguração oficial do 19M.  O grande conjunto arquitetônico em formato de triângulo no nordeste de Paris, foi desenhado pelo arquiteto francês Rudy Ricciotti, natural da Argélia. O 19M possui 25 mil metros quadrados e abriga 600 artesãos e talentos criativos e promete ser o berço de grandes criações artísticas e artesanais da moda de luxo.

19M: uma breve contextualização

Anunciado em 2019, o 19M tem o objetivo de reunir diversas empresas que são consideradas as principais casas especializadas da divisão Paraffection da Chanel. Entre estas estão a Lesage Intérieurs e a sua escola de artes do bordado, o atelier Montex e o MTX, o seu departamento de decoração, o sapateiro Massaro, o especialista em plumas e flores Lemarié, o chapeleiro Milliner Maison Michel, o tecelão Lognon, além do departamento criativo da Eres, a linha de roupas de banho do grupo.

O nome do edifícil não é por acaso. O M faz jus a Métiers d’Art. É, também, M de moda, de maison e manufatura, mostrando essa união que a Chanel vem propondo estre os artesãos do grupo. O conjunto arquitetônico está localizado no 19º arrondissement na capital francesa e o 19 está relacionado, também, à data em que Gabrielle Chanel nasceu. 

O centro ainda trabalha com mais de 40 marcas que têm diferentes abordagens mas um objetivo em comum: celebrar e dar continuidade ao mercado de luxo francês. Além dos artesões, dentro do conjunto encontram-se alguns executivos, marcas rivais, como a Givenchy, e modernos costureiros como Alexander Vauthier. 

A aquisição de diversos fornecedores e a união com artesãos, segundo Bruno Pavlovsky, presidente do grupo Chanel, marca o DNA da maison. Segundo o empresário, o objetivo é sempre a busca de novos recursos, seja em tecidos ou materiais, cuja oferta futura, segundo ele, é “bastante frágil”. De certa forma, as ações tomadas agora têm uma visão a longo prazo.

“Temos pensado em têxteis e tecidos para os quais a sustentabilidade é de grande importância. É muito importante saber onde e quando foram fabricadas as matérias-primas para garantir que os nossos clientes tenham o melhor. E torna-se cada vez mais difícil, seja a caxemira, seda ou algodão”, diz Pavlovsky em entrevista pelo Zoom para a Fashion Network, no início de dezembro.

Ao unir todos esses agentes em um só lugar, o grupo quer dar continuidade ao mercado de luxo, sem deixar de lado a inovação e a sustentabilidade, importante aspector para o futuro da indústria da moda.



ESCRITO POR Júlia Vilaça
Apaixonada por moda e política. a jornalista acredita que o futuro da moda pode ser construído de forma mais plural, sustentável e inclusivo. É head de conteúdo para empresa de NY no ramo de inovação na moda.

Apaixonada por moda e política. a jornalista acredita que o futuro da moda pode ser construído de forma mais plural, sustentável e inclusivo. É head de conteúdo para empresa de NY no ramo de inovação na moda.

COMPARTILHAR

COMENTÁRIOS

LEIA MAIS EM Business

13 de novembro

Gabi Silvarolli mostra como liderar uma marca tradicional

Herdeira da Corello lança sua linha de calçados e dá lição de business e liderança em tempos de crise

por Andreia Meneguete
17 de março

Novidade na prateleira: A Economia da Moda pelo olhar do italiano Enrico Cietta

Porque hoje um bom modelo de negócios vale mais do que uma boa coleção”; o...

por Amanda Ravelli
7 de dezembro

5 dicas para produção de conteúdo digital por Vogue Brasil

Bloco de notas à mão e veja o que as editoras da revista têm a dizer sobre o jornalismo de moda online

por Ivan Reis
28 de maio

A máscara que cobre novos e velhos hábitos

Em tempos de pandemia do novo Coronavírus, a máscara de proteção tornou-se uma medida de...

por Ivan Reis

ÚLTIMAS POSTAGENS

Arraste para o lado
20 de dezembro

Projeto 19M da Chanel: o fortalecimento do luxo

Com nova CEO na casa e inauguração oficial do projeto, a grife francesa promete enaltecer o artesanato de moda de luxo

por Júlia Vilaça
9 de dezembro

Jornalismo de Moda: e se a autora Clarice Lispector fosse capa da Vogue?

No mês que Clarice Lispector faria 100 anos, conheça a relação da escritora com o jornalismo de moda

por Ivan Reis
28 de agosto

Figurino do filme ‘Spencer’: o papel das marcas de moda no cinema

Filme sobre Lady Di traz figurino assinado por Chanel e mostra o poder das marcas nas narrativas em torno de biografias

por Carol Hossni
17 de agosto

O homem contemporâneo segundo Mário Queiroz

Análise de imagem: o professor e designer explica as transformações na moda masculina hoje

por Ivan Reis
10 de agosto

Vida em detalhes: na fila da vacina, vista sua esperança

Enquanto esperar é a única coisa que nos resta, as roupas moldam a cena de um futuro próxima que desejamos ter

por Ivan Reis
10 de agosto

Belly Palma: “Posso fazer o que eu quiser e do meu jeito”

Influência ativista na internet: Izabelle Palma é a nova voz quando se fala em moda, diversidade e inclusão no Brasil

por Ivan Reis
11 de junho

Moda e woke-washing: a mercantilização do corpo preto em um novo patamar

Jornalista Viviane Rocha relata o sequestro da humanidade das pessoas pretas

por Viviane Rocha
9 de junho

Semiótica da moda: análise do filme “Disturbing Beauty”, da Dior

Semioticista Clotilde Perez analisa os significados da beleza no novo filme da Dior

por Clotilde Perez