VOCÊ ESTÁ LENDO >> Universo do luxo: notas e insights sobre o curso da ESPM
POR Thais Possobom | 1 de dezembro

Você sabe realmente o que é um produto de luxo? E o que vem à sua cabeça quando pensa em premium e masstige (produtos ou serviços para massa, mas com códigos do universo do luxo)? No último dia 25, em São Paulo, Patrícia Diniz e Helena Nardy apresentaram na ESPM um curso one day sobre as novas segmentações do mercado de luxo e tiraram todas as dúvidas sobre o tema. Apesar de ser restrito, o mercado de luxo movimenta a economia e vem servindo de referência para outros mercados. Isso porque o consumidor, munido de muitas informações, já não aceita mais produtos e serviços que não atendam, ou superem, suas expectativas em qualidade e experiências.

Foto | Reprodução Gucci

Helena Nardy, profissional com 15 anos de experiência em comportamento e bens de consumo,  explicou sobre os novos cenários econômicos que propiciam o crescimento do mercado de luxo e abrem também caminhos para novas segmentações, como o masstige e o premium. Desde os anos 90 a classe média brasileira demonstra crescimento progressivo de poder aquisitivo e mais acesso devido ao aumento de créditos. Este crescimento favorece o consumo de produtos e serviços que até antes desta década eram exclusividade dos mais abastados. As marcas acompanharam esta mudança e passaram a notar estes novos consumidores. Exemplo disso são as companhias aéreas que criaram opções low cost e as marcas que expandiram seu mix, criando linhas secundárias mais acessíveis.

Patrícia Diniz, especialista em marketing e universo do luxo, contou um pouco sobre algumas experiências vividas em 20 anos de carreira entre marcas de luxo e premium e pontuou as principais diferenças entre elas. No mercado de moda, é bem comum que as grandes maisons se utilizem da estratégia de extensão de linhas, para agregar produtos de entrada com menor preço, que além de auxiliar na receita da empresa, colaboram para sua visibilidade. Com ótimos exemplos, Patrícia mostrou como estas marcas emprestam os símbolos e prestígio para os produtos mais acessíveis e com isso garantem que os consumidores sintam-se parte do universo do luxo, sem precisar desembolsar altos montantes.

O “efeito batom”, termo visto no comportamento de consumo, também mostra que, em períodos de crise, a venda de produtos de beleza é favorecida devido a necessidade de satisfazer o ego e aumentar a autoestima. Este cenário é perfeito para marcas que atendam ao imaginário do desejo do consumidor. Quando não podemos comprar um tailleur Chanel, ou uma bolsa Hermés, podemos satisfazer, ou ao menos acalmar, nossa vaidade com um perfume ou uma maquiagem dessas marcas. Estes produtos do exemplo se enquadram no segmento masstige, já que apresentam alto valor percebido, custo acima da média da categoria e são equivalentes em simbologia e prestígio da “marca mãe”. Já os produtos premium são caracterizados principalmente pelo fator de inovação.

Não são necessariamente atrelados a marcas de luxo, por isso não tem tanta relevância em simbolismos, mas oferecem diferencial no segmento, o que justifica um preço que pode ser até três vezes maior que a média. O luxo já é um velho conhecido. Desde os tempos da monarquia, seu consumo é um fator de diferenciação de classes. Apesar de ainda representar certa divisão, principalmente por estar caracterizado pela exclusividade proporcionada pela produção em pequena escala, o consumo do luxo, atualmente, está mais atrelado à experiência que o produto ou serviço proporciona. A história e origem da empresa também são fatores consideráveis por um novo grupo de consumidores, denominado “social wearer”. Os novos consumidores do luxo valorizam questões sociais e se preocupam com os impactos que as empresas causam em todo o sistema produtivo. A valorização dos tecidos, do trabalho artesanal e da arte, são os principais aspectos considerados. O luxo, neste caso, atende à expectativa deste consumidor em se apresentar como um trendsetter, inovador e sustentável.

Algumas empresas criam “falsos” premium, se aproveitando do posicionamento atraente da categoria para vender mais do mesmo. É importante sempre se atentar aos critérios que definem cada um dos segmentos para que a experiência de comprar o luxo não seja apenas um gasto desnecessário.



ESCRITO POR Thais Possobom

COMPARTILHAR

COMENTÁRIOS

LEIA MAIS EM Business

3 de abril

Seu blog, seu negócio: as dicas e estratégias para ser um influenciador digital

Saiba como é ter o blog de moda como ferramenta de trabalho

por Julia Groppo
14 de agosto

Victoria’s Secret: marca não acompanhou as mudanças de uma geração

Entenda os problemas por trás do posicionamento da marca que ficou famosa pelo Victoria's Secret...

por Giovana Marques
13 de junho

Carine Roitfeld: conheça os planos ambiciosos da editrix para o business da moda

Após um tempo em silêncio, a francesa mostra os próximos passos para fazer barulho no...

por Letícia Becker Rafaela Carazzai
19 de setembro

Efeito Bailey: Burberry e o sucesso de um storytelling bem aplicado

No momento de necessidade de evolução e transformação da grife, o papel do diretor criativo estava no plano estratégico de marca

por Andreia Meneguete

ÚLTIMAS POSTAGENS

Arraste para o lado
20 de dezembro

Projeto 19M da Chanel: o fortalecimento do luxo

Com nova CEO na casa e inauguração oficial do projeto, a grife francesa promete enaltecer o artesanato de moda de luxo

por Júlia Vilaça
9 de dezembro

Jornalismo de Moda: e se a autora Clarice Lispector fosse capa da Vogue?

No mês que Clarice Lispector faria 100 anos, conheça a relação da escritora com o jornalismo de moda

por Ivan Reis
28 de agosto

Figurino do filme ‘Spencer’: o papel das marcas de moda no cinema

Filme sobre Lady Di traz figurino assinado por Chanel e mostra o poder das marcas nas narrativas em torno de biografias

por Carol Hossni
17 de agosto

O homem contemporâneo segundo Mário Queiroz

Análise de imagem: o professor e designer explica as transformações na moda masculina hoje

por Ivan Reis
10 de agosto

Vida em detalhes: na fila da vacina, vista sua esperança

Enquanto esperar é a única coisa que nos resta, as roupas moldam a cena de um futuro próxima que desejamos ter

por Ivan Reis
10 de agosto

Belly Palma: “Posso fazer o que eu quiser e do meu jeito”

Influência ativista na internet: Izabelle Palma é a nova voz quando se fala em moda, diversidade e inclusão no Brasil

por Ivan Reis
11 de junho

Moda e woke-washing: a mercantilização do corpo preto em um novo patamar

Jornalista Viviane Rocha relata o sequestro da humanidade das pessoas pretas

por Viviane Rocha
9 de junho

Semiótica da moda: análise do filme “Disturbing Beauty”, da Dior

Semioticista Clotilde Perez analisa os significados da beleza no novo filme da Dior

por Clotilde Perez