VOCÊ ESTÁ LENDO >> Marina Ruy Barbosa: quando ser criativa é um bom negócio
POR Andreia Meneguete | 8 de dezembro

Atriz global mostra como driblar tempos de crise e ser um dos nomes mais badalados na moda nacional

Bastou a atriz Marina Ruy Barbosa ser anunciada como diretora de moda da plataforma de market place ZZMall, do grupo Arezzo&Co, para um séquito de internautas questionarem a sua competência e valor diante da nova função. Afinal, o que pode permitir uma atriz exercer uma outra função, em outro segmento? Podemos deixar a resposta mais densa para o sociólogo polonês Zigmunt Bauman em suas teorias de mundo líquido, em que identidades e transições entre espaços são fluidos. Na contemporaneidade, segundo ele, não há tantas formas e limites estruturados, o que gera uma certa desorganização e incompreensão dos papéis dos indivíduos e instituições.

Marina Ruy Barbosa, em novembro, quando foi anunciada como diretora de moda do ZZMall

Mas a resposta pode ser mais prática e lógica: Marina Ruy Barbosa sabe gerir sua carreira de forma estratégica, compreendendo o valor da sua imagem, sua conexão tanto com o consumidor jovem quanto com o mais maduro, e, de quebra, soube se conectar à indústria criativa e às causas sociais de um jeito leve e espontâneo. E, sempre, tudo sendo costurado à sua própria essência.

Mais do que garota-propaganda ou persona construída por equipe de marketing, Marina entende o espírito de uma época. Compreendeu que tendências de consumo foram aceleradas num momento como a pandemia, exigindo novos comportamentos. Em um ano como 2020, foi ela quem lançou a própria marca de roupas sustentável, a Ginger, e a coleção Dream, da marca Life by Vivara, a qual criou não só as peças, mas como também dirigiu a campanha publicitária ao lado do diretor Giovanni Bianco. Como se não bastasse, Marina Ruy Barbosa acaba de lançar, juntamente com Alexandre Birman (de novo!), a collab entre GINGER X SCHUTZ.

 

GINGERXSCHUTZ

Collab GINGER X SCHUTZ: a atriz Marina Ruy Barbosa mostra que pode assumir diferentes papéis e funções

Contra fatos não há argumentos: definitivamente, não é sua posição de global que lhe garante louros. Pois, se assim fosse, muitos outros tantos famosos estariam com negócios de sucesso por aí. Não é somente a sua imagem, senão, muitos célebres dotados de beleza, que ficaram parados durante a pandemia, teriam seus business pipocando mídias sociais afora.

Como dizem os especialistas em gestão de negócios, um bom empreendedor é aquele que sabe observar o presente, colher informações e ter insights relevantes para o seu business. Mas além disso é necessário criatividade, estratégia e coragem para aproveitar as oportunidades. Hard e soft skills, que Marina Ruy Barbosa demosntra ter de sobra. Aguardemos as próximas novidades.



ESCRITO POR Andreia Meneguete
Founder @iam.inteligenciaemmoda, lecturer na @nafaap e @iedsp. Consultorias, treinamentos e palestras comunicação, varejo de moda e beleza.

Founder @iam.inteligenciaemmoda, lecturer na @nafaap e @iedsp. Consultorias, treinamentos e palestras comunicação, varejo de moda e beleza.

COMPARTILHAR

COMENTÁRIOS

LEIA MAIS EM Business

1 de dezembro

Universo do luxo: notas e insights sobre o curso da ESPM

Patricia Diniz e Helena Nardy apresentam de forma didática as particularidades do setor

por Thais Possobom
26 de abril

Alexandre, o Grande, do grupo Arezzo

O caminho de sucesso do CEO da Arezzo&Co que comanda há quatro anos a corporação...

por Ana Paula Porto
3 de maio

Jornalismo de moda x coronavírus: sensibilidade ou alienação social?

Retrato social: análise semiótica do jornalismo de moda durante a pandemia.

por Andreia Meneguete Yasmin Carolino
9 de fevereiro

Talk com Moni: 6 dicas de carreira para seguir

Aceitar o fracasso e aprender a dizer não: confira esses e outros conselhos para a...

por Samira Santos

ÚLTIMAS POSTAGENS

Arraste para o lado
20 de dezembro

Projeto 19M da Chanel: o fortalecimento do luxo

Com nova CEO na casa e inauguração oficial do projeto, a grife francesa promete enaltecer o artesanato de moda de luxo

por Júlia Vilaça
9 de dezembro

Jornalismo de Moda: e se a autora Clarice Lispector fosse capa da Vogue?

No mês que Clarice Lispector faria 100 anos, conheça a relação da escritora com o jornalismo de moda

por Ivan Reis
28 de agosto

Figurino do filme ‘Spencer’: o papel das marcas de moda no cinema

Filme sobre Lady Di traz figurino assinado por Chanel e mostra o poder das marcas nas narrativas em torno de biografias

por Carol Hossni
17 de agosto

O homem contemporâneo segundo Mário Queiroz

Análise de imagem: o professor e designer explica as transformações na moda masculina hoje

por Ivan Reis
10 de agosto

Vida em detalhes: na fila da vacina, vista sua esperança

Enquanto esperar é a única coisa que nos resta, as roupas moldam a cena de um futuro próxima que desejamos ter

por Ivan Reis
10 de agosto

Belly Palma: “Posso fazer o que eu quiser e do meu jeito”

Influência ativista na internet: Izabelle Palma é a nova voz quando se fala em moda, diversidade e inclusão no Brasil

por Ivan Reis
11 de junho

Moda e woke-washing: a mercantilização do corpo preto em um novo patamar

Jornalista Viviane Rocha relata o sequestro da humanidade das pessoas pretas

por Viviane Rocha
9 de junho

Semiótica da moda: análise do filme “Disturbing Beauty”, da Dior

Semioticista Clotilde Perez analisa os significados da beleza no novo filme da Dior

por Clotilde Perez