VOCÊ ESTÁ LENDO >> Novidade na prateleira: A Economia da Moda pelo olhar do italiano Enrico Cietta
POR Amanda Ravelli | 17 de março

Porque hoje um bom modelo de negócios vale mais do que uma boa coleção”; o subtítulo do recém-lançado livro Economida da Moda, do economista italiano Enrico Cietta (Editora Estação das Letras e Cores, R$ 55), já evidencia a proposta da obra e lança um questionamento sobre as novas formas de negócio que presenciamos atualmente. O leitor irá encontrar  uma variedade de assuntos, que tratam desde uma definição mais acadêmica e objetiva da economia, até esclarecimentos sobre o mercado da indústria da moda. A leitura é valiosa, não apenas para aqueles que desejam abrir seu próprio negócio e conquistar seu espaço no meio, como também é obrigatória para os que anseiam em se dar bem no mundo fashion.

Entender a estrutura do comércio e do consumo neste espaço é importante para enxergarmos com clareza a magnitude da influência direta e indireta que os negócios no meio da moda geram. A linguagem clara e didática – facilitando a compreensão dos temas abordados – e a bibliografia munida de obras significativas são outros incentivos para o estudo do livro.

 

 

A MODA FRENTE AO ABISMO
Rápida, poluidora e comercial; para muitos, este é o status atual da moda, fugindo da criatividade e dando poucas chances de sucesso e lucro para pequenas e médias empresas. “Muitos acreditam que a moda está à beira de um abismo: muito rápida, muito poluidora; pouquíssimo focada na criatividade e excessivamente no mercado; muito econômica para o consumidor e pouco lucrativa para as pequenas e médias empresas; muito imprevisível e muito subjetiva para ser encarada como os demais setores industriais; muito material para ser considerada um produto cultural e muito imaterial para ser um produto manufatureiro”, sinaliza o autor já na contracapa da sua obra. Cietta, então, entre as quase 500 páginas de Economia da Moda, apresenta um novo ponto de vista, e esclarece o motivo desta marcha até o precipício e o que pode ser repensado no processo de criação e comercialização dos produtos de moda.

NOVO CENÁRIO, NOVOS MODELOS
O economista italiano apresenta expectativas para o futuro e uma nova interpretação para fenômenos que estouraram na indústria da moda nos dias de hoje, como o fast fashion e o see now, buy now, a moda sustentável e a polêmica do trabalho escravo. “Ainda que a criatividade continue a ser fundamental, ela não é mais suficiente. Muito mais do que no passado, o sucesso no mercado depende do modelo de negócio da empresa, ou seja, do modo como se responde a estas mudanças”, sinaliza o autor.

MEU NEGOCIO É UM SUCESSO
Não poderíamos deixar de lado as inúmeras dicas do autor sobre administração de empresas. Ele aborda os riscos e custos da moda – dando soluções e planejamentos apropriados – e disserta sobre as condições do mercado atual. De acordo com o economista, há muitas empresas sem um modelo de negócio bem definido, o que compromete suas ações estratégicas desde a criação de um produto até a sua comercialização. “Toda empresa tem um modelo de negócio, um modelo de comportamento que depende de suas escolhas e dos resultados delas. Ainda que o modelo de negócio esteja presente, não significa que a empresa o conheça ou que tenha plena consciência de suas partes. A razão é que, enquanto uma estratégia  normalmente se focaliza em um único processo, o modelo de negócio requer uma visão mais ampla, que olhe as funções e os processos transversalmente”, alerta o autor na página 200 do seu livro.



ESCRITO POR Amanda Ravelli

COMPARTILHAR

COMENTÁRIOS

LEIA MAIS EM Business

26 de maio

História: a moda nos tempos das pandemias

Peste negra, varíola, gripe espanhola e coronavírus. A moda retratada em momentos de crises sanitárias.

por Guilherme de Beauharnais
5 de outubro

Fashion job: aprendizados de carreira com “Emily em Paris”

Drible os clichês da série e veja como ter alguns insights profissionais com a divertida PR americana

por Andreia Meneguete
10 de agosto

Belly Palma: “Posso fazer o que eu quiser e do meu jeito”

Influência ativista na internet: Izabelle Palma é a nova voz quando se fala em moda, diversidade e inclusão no Brasil

por Ivan Reis
28 de maio

A máscara que cobre novos e velhos hábitos

Em tempos de pandemia do novo Coronavírus, a máscara de proteção tornou-se uma medida de...

por Ivan Reis

ÚLTIMAS POSTAGENS

Arraste para o lado
20 de dezembro

Projeto 19M da Chanel: o fortalecimento do luxo

Com nova CEO na casa e inauguração oficial do projeto, a grife francesa promete enaltecer o artesanato de moda de luxo

por Júlia Vilaça
9 de dezembro

Jornalismo de Moda: e se a autora Clarice Lispector fosse capa da Vogue?

No mês que Clarice Lispector faria 100 anos, conheça a relação da escritora com o jornalismo de moda

por Ivan Reis
28 de agosto

Figurino do filme ‘Spencer’: o papel das marcas de moda no cinema

Filme sobre Lady Di traz figurino assinado por Chanel e mostra o poder das marcas nas narrativas em torno de biografias

por Carol Hossni
17 de agosto

O homem contemporâneo segundo Mário Queiroz

Análise de imagem: o professor e designer explica as transformações na moda masculina hoje

por Ivan Reis
10 de agosto

Vida em detalhes: na fila da vacina, vista sua esperança

Enquanto esperar é a única coisa que nos resta, as roupas moldam a cena de um futuro próxima que desejamos ter

por Ivan Reis
10 de agosto

Belly Palma: “Posso fazer o que eu quiser e do meu jeito”

Influência ativista na internet: Izabelle Palma é a nova voz quando se fala em moda, diversidade e inclusão no Brasil

por Ivan Reis
11 de junho

Moda e woke-washing: a mercantilização do corpo preto em um novo patamar

Jornalista Viviane Rocha relata o sequestro da humanidade das pessoas pretas

por Viviane Rocha
9 de junho

Semiótica da moda: análise do filme “Disturbing Beauty”, da Dior

Semioticista Clotilde Perez analisa os significados da beleza no novo filme da Dior

por Clotilde Perez