VOCÊ ESTÁ LENDO >> Coolhunting, espírito do tempo e consumo: reflexões e aprendizados com Iza Dezon
POR Andreia Meneguete | 1 de agosto

Com um falar objetivo e vibrante, a pesquisadora tendências Iza Dezon, que representa no Brasil a operação do bureau de pesquisas de tendências PeclersParis, é bem o tipo de pessoa que a gente deseja ficar por perto cinco minutinhos a mais só para ouvir o que ela sabe sobre pessoas, mundo, consumo e inovação. A gente garante: ela é pura inspiração e good vibes.

Aprendi a me servir da semiótica para organizar uma pesquisa sociocultural seguindo pilares mapeados, porém mutantes, explica Iza Dezon. (Foto: Divulgação)

A Iza Dezon exerce uma daquelas funções curiosas que fascinam a gente. No caso dela, a de coolhunter, profissional que pesquisa tendências de consumo e transforma isso em relatórios para empresas entenderem o que os clientes vão desejar consumir no futuro. De forma prática, a profissional – juntamente com uma equipe multidisciplinar – traduz os sinais e comportamentos emergentes das pessoas e mostra como se pode explorar isso de um jeito mais assertivo quando se fala em produto e comunicação.

Parte de pesquisa da PeclersParis sobre cores e novos comportamentos (Foto: Divulgação)

Por aqui, um bate-papo bem descontraído – mas bastante informativo – sobre as curiosidades que envolvem a profissão de coolhunter e também um olhar reflexivo sobre o consumo nos dias de hoje.

O que envolve o trabalho de uma pesquisadora de tendências e como podemos aplicá-lo de forma tangível dentro da nossa sociedade quando falamos de mercado?
Eu diria que o pré-requisito é prestar atenção em tudo o que está acontecendo ao seu redor – em uma escala macro (política, economia, tecnologia e cultura. Cada profissional ou agência especializada neste setor segue uma metodologia própria, mas, fundamentalmente, colecionamos sinais que indicam mudanças de comportamento de consumo e preferências estéticas – pois o design tornou-se indispensável no seculo 21. Meu trabalho, particularmente, é transversal e tem contato com diversas áreas.

Claro, que como diretora do escritório brasileiro da Peclers, representado pela a minha empresa, a Dezon, o meu cotidiano é muito menos sonhador e focado em conteúdo do que quando integrava a equipe da agência na matriz em Paris. Por isso, hoje conto com diversas colaboradoras. Isto dito, o que mais me inspira no meu trabalho é saber que todo tipo de consumo de cultura contemporânea (livros, revistas, eventos de diversas espécies, filmes, músicas, exposições) alimenta a pesquisa e aumenta o horizonte. A chave está em exercitar o instinto para captar percepções e decifrá-las. Costumo dizer que trabalhar com pesquisa de tendências é brincar de ligar os pontos.

De forma prática: como podemos captar de um jeito assertivo o espírito do tempo? E o que esse fenômeno tão sensível tem para nos ensinar enquanto práticas sociais: sejam em relações, consumo, economia, política?
Eu aprendi tudo o que sei sobre pesquisa com a PeclersParis, uma agência pioneira com 50 anos de inovação, afinal de contas tradição seria contraditório para quem fala de futuro. Com um time de experts incríveis como Emma Fric e Pierre Bissueil, aprendi a me servir da semiótica para organizar uma pesquisa sociocultural seguindo pilares mapeados, porém mutantes, como: questões de identidade, o fenômeno colaborativo, o relacionamento com a natureza, etc.

Toda a dificuldade e sutileza reside em identificar movimentos que estão surgindo e avaliar quais têm capacidade de prosperar. A beleza das tendências é que com muita prática é possível perceber os futuros possíveis e desejáveis que podemos arquitetar juntos. Em tempos sombrios, as maravilhas e inovações pensadas por seres brilhantes mundo afora são ofuscadas por mídias muito preocupantes e apavorantes. É fácil esquecer quanta coisa boa está acontecendo. Ao concentrar nossas energias na abundância criativa, podemos nos tornar verdadeiros agentes de mudança – pessoas, funcionários, pequenos empreendedores e até grandes empresas. E, logo, com uma dose (necessária) de otimismo, podemos revelar, de forma estratégica e calculada, direcionamentos construtivos.

Recentemente estive em uma palestra com o Michel Maffesolli, e ele falou muito sobre o espírito do tempo como um imperativo categórico, que nos faz entender realmente os desejos coletivos de uma sociedade e como isso explica tudo diante do que estamos vivendo em ambientes macros, como política e economia. Trazendo para o nosso universo, olhando para as ‘novas perspectivas de consumo de moda’, o que podemos entender de tendências de comportamento que realmente vieram para ficar e que todo mundo que trabalha como moda/varejo deveria ficar atendo?
Grande Maffesolli, sempre genial. São muitas vertentes, mas eu diria que entender a importância de reavaliar o verdadeiro valor das coisas é a espinha dorsal de todos os outros movimentos. Entendo dizer que, enquanto o valor da mão de obra (ética) e o custo ambiental (ecologia) da industria não for ajustado, as pessoas vão ter o que falar – principalmente da Geração Z para baixo. Pessoas, matérias-primas e processos: todos os pontos da cadeia estão sendo questionados. A questão da inclusão também reverbera no mesmo ponto: enquanto não encararmos que o comportamento excludente das marcas e comunicações estão ‘fora de moda’, haverá repercussão negativa e críticas nas redes sociais.

O futuro já não é mais como era antigamente? O que as tendências falam sobre essa máxima? O possível amanhã diante de tudo que as macro tendências apontam.
O futuro é construído hoje, e só as ações individuais e coletivas do cotidiano podem erguer um futuro desejável.

Se a gente pudesse invadir a sua biblioteca pessoal, o que teria de indicação mais preciosa quando o assunto é Moda e Tendência?
Uma mistura mucho louca de dicionários, livros de arte, muita fotografia, poesia, literatura, livros de referências, autobiografias, catálogos de exposições, feiras ou eventos, textos sobre sociologia do consumo, uma extensa coleção de cadernos da Peclers… Pouca coisa sobre tendências para dizer a verdade.

FIQUE DE OLHO:
Quer aprender mais sobre o assunto? Iza Dezon ministra um curso em agosto sobre ‘Como Captar Tendências de Comportamento + Moda’, no Lab Fashion. Para saber mais informações é só clicar aqui e se inscrever!



ESCRITO POR Andreia Meneguete
Founder @iam.inteligenciaemmoda, lecturer na @nafaap e @iedsp. Consultorias, treinamentos e palestras comunicação, varejo de moda e beleza.

Founder @iam.inteligenciaemmoda, lecturer na @nafaap e @iedsp. Consultorias, treinamentos e palestras comunicação, varejo de moda e beleza.

COMPARTILHAR

COMENTÁRIOS

LEIA MAIS EM Business

16 de setembro

Moda: um instrumento nas mãos do comunicador Ronaldo Fraga

Em evento de design e inovação em Brasília, estilista questiona o segmento, compartilha o seu...

por Giovana Marques
17 de junho

Vogue América: relatos de racismo e falta de diversidade

A lendária editora-chefe da Vogue americana, Anna Wintour, está envolvida em relatos de discriminação e...

por Ivan Reis
9 de setembro

Fash&Co: a marca de acessórios de moda criada em tempo real

Conheça a marca da curitibana Mariana Barboza que foi criada em tempo real no instagram...

por Andreia Meneguete
16 de março

Curso de Moda em Londres pelo Instagram: um jeito de ter conteúdo, conhecimento na palma da mão

Já pensou em fazer um curso de moda em Londres sem precisar pegar um voo...

por Andreia Meneguete

ÚLTIMAS POSTAGENS

Arraste para o lado
20 de dezembro

Projeto 19M da Chanel: o fortalecimento do luxo

Com nova CEO na casa e inauguração oficial do projeto, a grife francesa promete enaltecer o artesanato de moda de luxo

por Júlia Vilaça
9 de dezembro

Jornalismo de Moda: e se a autora Clarice Lispector fosse capa da Vogue?

No mês que Clarice Lispector faria 100 anos, conheça a relação da escritora com o jornalismo de moda

por Ivan Reis
28 de agosto

Figurino do filme ‘Spencer’: o papel das marcas de moda no cinema

Filme sobre Lady Di traz figurino assinado por Chanel e mostra o poder das marcas nas narrativas em torno de biografias

por Carol Hossni
17 de agosto

O homem contemporâneo segundo Mário Queiroz

Análise de imagem: o professor e designer explica as transformações na moda masculina hoje

por Ivan Reis
10 de agosto

Vida em detalhes: na fila da vacina, vista sua esperança

Enquanto esperar é a única coisa que nos resta, as roupas moldam a cena de um futuro próxima que desejamos ter

por Ivan Reis
10 de agosto

Belly Palma: “Posso fazer o que eu quiser e do meu jeito”

Influência ativista na internet: Izabelle Palma é a nova voz quando se fala em moda, diversidade e inclusão no Brasil

por Ivan Reis
11 de junho

Moda e woke-washing: a mercantilização do corpo preto em um novo patamar

Jornalista Viviane Rocha relata o sequestro da humanidade das pessoas pretas

por Viviane Rocha
9 de junho

Semiótica da moda: análise do filme “Disturbing Beauty”, da Dior

Semioticista Clotilde Perez analisa os significados da beleza no novo filme da Dior

por Clotilde Perez