VOCÊ ESTÁ LENDO >> Fashion job: aprendizados de carreira com “Emily em Paris”
POR Andreia Meneguete | 5 de outubro

Drible os clichês da série e veja como ter alguns insights profissionais com a divertida PR americana

A série Emily em Paris, estrelada e produzida por Lily Collins, foi sucesso de estreia, ficando no topo das mais vistas no Netflix em todo o mundo. Afinal, por que uma série com perfume teen e com todos os clichês das indústrias da publicidade e da moda ainda faz sucesso? Simples. Emily carrega na sua bolsa Chanel os sonhos de qualquer mulher moderna, que tem o plano de atingir sua independência com inteligência, leveza e umas doses de glamour e luxo. Fica claro que a jovem americana ao invadir Paris está longe de ser alguém criada em berço de ouro. Ela está ali pois soube esperar a grande oportunidade chegar. Mas vale o ponto: ela se preparou para tal. Fez mestrado em comunicação, estudou muito sobre mídias digitais e entende como nínguém de comportamento de consumo.

Emily é aquele tipo de profissional que sabe onde quer chegar e leva cada desafio como uma oportunidade para o seu obetivo. (Foto: Reprodução)

Pensando neste combo profissional e como em cada take Emily nos ensina sobre carreira, reunimos os principais aprendizados que podemos tirar com a nova fashionista do pedaço. Tenha um bloco de nota à mão e escreva cada insight que este texto lhe trouxer. Vale a pena, acredite. Depois, é só compreender o que você pode fazer melhor para se preparar para quando aquela oportunidade bacana surgir.

1. RECONHECER O VALOR DA CULTURA DE UM OUTRO PAÍS
Emily foi um pouco ingênua ao achar que tudo estaria ao seu favor ao mudar de cidade. E como ela mesma disse: foi uma “ignorante prepontente” ao achar que ir trabalhar em Paris sem saber nada de francês seria easy-peasy. Na verdade, ela pode até conseguir se comunicar com ajuda de algumas ferramentas, mas ela não estava compreendendo a importância do que é falar o francês na… França! nâo é sobre se virar, é sobre não subestimar a cultura de um outro país, compreender o valor que tudo isso tem para um grupo. Por isso, primeira regra: estude tudo que puder sobre o país e povo que deseja se relacionar no futuro. Se a sua vaga dos sonhos está numa empresa Australiana, é fato que você, além do inglês, deve manjar tudo deste país. Prepare-se para as oportunidades, não deixe para pensar sobre isso quando uma vaga bater à sua porta.

Saiba o valor de uma outra cultura, ainda mais se você deseja trabalhar em empresas multinacionais. (Foto: Reprodução)

2. NÃO TENHA MEDO DE FAZER NETWORKING
Se tem uma coisa que Emily sabe fazer bem é “contato”. Ela não tem medo de se aproximar das pessoas, mesmo sem saber que elas um dia serão úteis em sua vida. Emily gosta do que faz, que é ser uma Relações Públicas. A profissional sabe que o core da sua profissão é comunicação + relacionamento. É nítido o quanto ela aplica com louvor suas habilidades. Ah, e tem mais uma questão: Emily acorda todos os dias disposta a fazer a diferença. Ela coloca amor em TUDO que faz. Quando paixão e talento dá match é impossível não resultar em sucesso.

Networking: fazer contatos pode render boas amizades ou bons jobs. (Foto: Reprodução)

3. COMPREENDA OS RISCOS QUE TODA ESCOLHA PODE TRAZER
Não tem coisa melhor do que trabalhar com pessoas que querem “fazer acontecer” da melhor forma. Mas em cargos sêniores o faro para possíveis problemas deve estar sempre ativado. Tudo porque quem trabalha com comunicação e imagem de uma empresa, como é a função de um Relações Públicas, tem que presumir todos os riscos de uma ação, um evento e ou uma campanha. Emily foi muito sagaz ao sinalizar o cliente sobre as possíveis devolutivas negativas diante do filme publicitário de perfume. Mas ela ignorou o que a presença de dois jovens artistas, reconhecidos por causarem polêmic, poderia ocasionar em um evento beneficente. A função de Relações Públicas exige um olhar redobrado para tudo em um evento, pois cada erro é um flash.

Atenção aos riscos: quem trabalha como Relações Públicas tem que ficar com o radar ligado para possíveis problemas.. (Foto: Reprodução)

4. SAIBA COM QUEM ESTÁ TRABALHANDO
Definitivamente: não é todo mundo que deseja nosso bem ou se importa como nos sentimos no ambiente de trabalho. Antes de falar tudo o que pensa e abrir sobre sonhos e inseguranças, saiba quem são as pessoas que estão ao se redor. Emily foi ingênua a achar que a equipe seria acolhedora e solícita com tudo que ela tinha para dizer e ser. Primeiro, ela teve que mostrar a que veio e, depois, foi conquistando a confiança de cada um. É interessante olhar essa jornada dela na série, Anote esta dica: seja observador, sempre. É importante reconhecer o cenário onde está atuando. E principalemente saber quem são os atores da cena de trabalho. Não é todo mundo que quer saber o que você pensa ou sente.

Saiba com quem está trabalhando: reconhecer a equipe da qual faz parte pode mudar o jogo e evitar problemas. (Foto: Reprodução)

5. CONFIE NO SEU TALENTO E NA SUA INTUIÇÃO
É comum bater a síndrome da impostora (não é o caso da Emily) quando estamos prestes a conquistar algo ou estamos em um cargo importante. Por muitas vezes escutamos a “voz censora” que existe no nosso interior do que a voz de comando da “segurança”. Com isso, é muito comum que um ótimo trabalho deixe de acontecer pelo simples fato de ter optado por ter medo. Emily tem a consciência de que saber fazer um bom trabalho. E ela confia diariamente todas as fichas nessa percepção de valor.  Sem contar que a fashionista deixa o seu positivismo conduzir as suas intuições. Emily sempre olha para o copo cheio e escolhe com otimismo cada novo passo que vai dar.  Ela muda a frequencia da energia do lugar, fazendo com que tudo seja mais possível e com certeza mais leve. E não é que dá certo?

Quando o talento dá match com a vontade de fazer, o sucesso é um resultado

Quer seguir na carreira de moda e aind anão sabe muito bem como? Eis aqui uma dica: em 27 de outubro começa o Master in Fashion Business & Communication. É um programa de treinamento especial com 6 cursos na área de moda, comunicação e tendências. E o melhor: o aluno podeescolher fazer os 6 ou somente aqueles que têm mais a ver com o perfil da sua carreira. Gostou da ideia? Então saiba mais sobre o curso aqui.

 



ESCRITO POR Andreia Meneguete
Founder @iam.inteligenciaemmoda, lecturer na @nafaap e @iedsp. Consultorias, treinamentos e palestras comunicação, varejo de moda e beleza.

Founder @iam.inteligenciaemmoda, lecturer na @nafaap e @iedsp. Consultorias, treinamentos e palestras comunicação, varejo de moda e beleza.

COMPARTILHAR

COMENTÁRIOS

LEIA MAIS EM Business

14 de julho

Chanel une luxo e punk em homenagem a Karl Lagerfeld

Opulência recatada e sofisticação (com um twist punk) se fundiram para compor o luxo da coleção de alta-costura do outono 2020/21 da Chanel, por Virginie Viard

por Guilherme de Beauharnais
11 de fevereiro

9 livros de moda que você tem que ler

A moda traz consigo a ideia de novidade e transformação. No entanto, uma coisa nunca...

por Andreia Meneguete João Arthur Marinho
15 de janeiro

Curso Jornalismo de Moda

Curso de Jornalismo de Moda para quem deseja aprender mais sobre o tema e começar...

por Andreia Meneguete
28 de novembro

Farm e Enjoei: união pelo bem da moda no varejo

Já pensou em ganhar créditos de compra pela troca daquela peça que não usa mais?...

por Julia Groppo

ÚLTIMAS POSTAGENS

Arraste para o lado
11 de junho

Moda e woke-washing: a mercantilização do corpo preto em um novo patamar

Jornalista Viviane Rocha relata o sequestro da humanidade das pessoas pretas

por Viviane Rocha
9 de junho

Semiótica da moda: a sensibilidade penetrante de Dior em “Disturbing Beauty”

Semioticista Clotilde Perez analisa os significados da beleza no novo filme da Dior

por Clotilde Perez
22 de maio

Carreira fashion: o que é preciso saber sobre jornalismo de moda

Do impresso ao digital, a jornalista Andreia Meneguete analisa as transformações de um jornalismo que se reinventa no tempo 

por Ivan Reis
22 de maio

GQ Brasil comemora 10 anos com diversidade no lifestyle

Com capas estreladas por Ludmilla, Ronaldo e o empresário David Vélez, a revista reformula seu projeto editorial

por Ivan Reis
22 de abril

Balen-gucci: o que fica da união de duas marcas potentes?

Em uma união inesperada com Balenciaga, Gucci traz à luz que quando se reformulam os signos, mudam-se significados

por Andreia Meneguete
15 de março

Para ler: 5 livros para entender moda masculina

Quer saber mais sobre moda masculina? Então, veja os livros que separamos para você iniciar a sua jornada de estudos

por Ivan Reis
15 de março

GQ Brasil sob nova direção: conheça as mudanças da revista

Agora com direção do jornalista Daniel Bergamasso, título de moda masculina ganha foco para comportamento

por Ivan Reis
30 de dezembro

IAM EDIT #01: o que fazer com os aprendizados de 2020

Ufa, 2020 parece que está chegando ao fim. E a gente tenta fazer uma retrospectiva do que realmente aconteceu e vivemos.

por Andreia Meneguete