VOCÊ ESTÁ LENDO >> Por trás das lentes de Caíto Maia
POR Raíssa Zogbi | 10 de fevereiro

Simples assim: um banquete de óculos, acompanhado de uma fartura de relógios tudo sob o esquema self service e finalizados com um toque de pimenta. Foi essa a receita que deu vida as mais de 740 lojas da Chilli Beans espalhadas por todo o mundo. O chef da receita? Caíto Maia, que acertou no ponto para acompanhar a diversidade da geração que se projetava junto com sua marca, em 1997.

Nem tão simples assim. Até o fim dos anos 90, Caíto tentava consolidar a carreira como roqueiro na sua banda Las Ticas Tienem Fuego. E, enquanto ela teimava em não ir para frente, ele colocou a mão na massa e passou a vender óculos de sol que comprava na Califórnia. Só os amigos de Caíto esvaziavam as malas com os modelos importados, que não eram tão baratos quanto os dos camelôs e nem tão caros quanto os das óticas. Na época, algo em torno dos 50 reais. Passou, também, a desenhar modelos e importar da China. Lançou, então, a Blue Velvet, uma atacadista de óculos, que apesar de apresentar bons índices de vendas, não gerava fluxo de caixa: pagava seus fornecedores à vista e vendia a prazo no atacado. Até que dois clientes deram o calote e a empresa faliu.

Mas, desistir não fazia parte do vocabulário de Caíto. Ele apostava na lacuna e, depois de muito esforço, transformou o embrião na empresa que conquistaria jovens de todo o mundo. Aposta certeira! Hoje, a Chilli Beans representa a maior rede especializada em óculos escuros e acessórios da América Latina, com pontos de venda no Brasil, Portugal, Estados Unidos, Colômbia, Kuwait, Peru, Abu Dhabi, México, Chile e Tailândia. Fatura R$ 500 milhões por ano e gera mais de 3.500 empregos diretos.

Quem conhece, o admira. Desde o passado se faz presente. Faz questão de acompanhar cada etapa da produção de seus produtos. E a produção é insana! A cada semana, dez novos modelos são lançados no mercado. Extrovertido, falante e humilde. De passo em passo construiu um império que conversa com todas as classes, gêneros, estilos e gostos.

Caíto pode ter desistido da banda. Mas, o ar despretensioso e aberto à diversidade e a vontade de se comunicar com várias tribos que carregava em seus shows prevalecem até hoje na identidade das peças. E, talvez, essas características que concretizaram o DNA jovem e irreverente da marca tenham sido a cereja do bolo para o sucesso… ou melhor, a pimenta. (por RAÍSSA ZOGBI)

 



ESCRITO POR Raíssa Zogbi

COMPARTILHAR

COMENTÁRIOS

LEIA MAIS EM Business

17 de março

Novidade na prateleira: A Economia da Moda pelo olhar do italiano Enrico Cietta

Porque hoje um bom modelo de negócios vale mais do que uma boa coleção”; o...

por Amanda Ravelli
10 de agosto

Entrevista com a ativista Belly Palma: “Posso fazer o que eu quiser e do meu jeito”

Influência ativista na internet: Izabelle Palma é a nova voz quando se fala em moda, diversidade e inclusão no Brasil

por Ivan Reis
10 de maio

Emily Weiss: o nome por trás do case de sucesso Glossier

Entenda como o site de beleza virou referência de sucesso e um negócio bem visto...

por Julia Groppo
17 de abril

8 dicas de carreira no Jornalismo de Moda com Laís Franklin, da Vogue Brasil

Editora do site da Vogue Brasil sinaliza pontos importantes para quem deseja seguir na carreira de jornalismo de moda

por Júlia Vilaça

ÚLTIMAS POSTAGENS

Arraste para o lado
6 de novembro

Negócios em foco: 7 Reflexões sobre o Mercado de Luxo com Carlos Ferreirinha

Em palestra no Iguatemi Talks, especialista do mercado de luxo traz insights do segmento para qualquer setor

por Brenda Luchese
5 de novembro

As estratégias da Jacquemus para se tornar “queridinha” no mercado de luxo

Entenda como a marca criada por Simon Jacquemus virou fenômeno e se tornou referência do conceito de novo luxo

por Rebeca Dias
5 de novembro

Cases de Luxo: como a Burberry e Gucci se conectaram com novos consumidores

Veja como as grifes de luxo se adaptaram para atender às transformações dos novos tempos e dos consumidores

por Rebeca Dias
5 de setembro

Fure a bolha: chegou a hora do streetwear brasileiro ganhar destaque global

A consolidação da moda de rua brasileira e como designers de marcas nacionais chegaram a showroom em Paris.

por Júlia Lyz
12 de maio

Copenhagen Fashion Week: conheça semana de moda internacional sustentável

Marcas do evento que visa promover a sustentabilidade precisam respeitar ao menos 18 critérios para inscrição

por Rebeca Dias
12 de maio

Onde está a moda inclusiva? Os desafios para encontrar roupas para o público PcD

Especialista sobre o assunta aponta o preconceito como principal fator para a falta de inclusão na moda

por Beatriz Neves
12 de maio

O QUE O SXSW 2023 E O ÚLTIMO PARIS FASHION WEEK TÊM EM COMUM?

Durante o maior evento de inovação do mundo, a inteligência artificial roubou a cena e nos faz refletir o papel da moda

por Giovanna Schiavon
12 de maio

8 Perfis do Tiktok para Acompanhar e Aprender Sobre o Mercado de Moda

Muito além do look do dia e de dancinhas, o Tiktok permite a democratização e acessibilidade aos conteúdos sobre moda

por Ana Flávia Gimenez