VOCÊ ESTÁ LENDO >> Por trás das lentes de Caíto Maia
POR Raíssa Zogbi | 10 de fevereiro

Simples assim: um banquete de óculos, acompanhado de uma fartura de relógios tudo sob o esquema self service e finalizados com um toque de pimenta. Foi essa a receita que deu vida as mais de 740 lojas da Chilli Beans espalhadas por todo o mundo. O chef da receita? Caíto Maia, que acertou no ponto para acompanhar a diversidade da geração que se projetava junto com sua marca, em 1997.

Nem tão simples assim. Até o fim dos anos 90, Caíto tentava consolidar a carreira como roqueiro na sua banda Las Ticas Tienem Fuego. E, enquanto ela teimava em não ir para frente, ele colocou a mão na massa e passou a vender óculos de sol que comprava na Califórnia. Só os amigos de Caíto esvaziavam as malas com os modelos importados, que não eram tão baratos quanto os dos camelôs e nem tão caros quanto os das óticas. Na época, algo em torno dos 50 reais. Passou, também, a desenhar modelos e importar da China. Lançou, então, a Blue Velvet, uma atacadista de óculos, que apesar de apresentar bons índices de vendas, não gerava fluxo de caixa: pagava seus fornecedores à vista e vendia a prazo no atacado. Até que dois clientes deram o calote e a empresa faliu.

Mas, desistir não fazia parte do vocabulário de Caíto. Ele apostava na lacuna e, depois de muito esforço, transformou o embrião na empresa que conquistaria jovens de todo o mundo. Aposta certeira! Hoje, a Chilli Beans representa a maior rede especializada em óculos escuros e acessórios da América Latina, com pontos de venda no Brasil, Portugal, Estados Unidos, Colômbia, Kuwait, Peru, Abu Dhabi, México, Chile e Tailândia. Fatura R$ 500 milhões por ano e gera mais de 3.500 empregos diretos.

Quem conhece, o admira. Desde o passado se faz presente. Faz questão de acompanhar cada etapa da produção de seus produtos. E a produção é insana! A cada semana, dez novos modelos são lançados no mercado. Extrovertido, falante e humilde. De passo em passo construiu um império que conversa com todas as classes, gêneros, estilos e gostos.

Caíto pode ter desistido da banda. Mas, o ar despretensioso e aberto à diversidade e a vontade de se comunicar com várias tribos que carregava em seus shows prevalecem até hoje na identidade das peças. E, talvez, essas características que concretizaram o DNA jovem e irreverente da marca tenham sido a cereja do bolo para o sucesso… ou melhor, a pimenta. (por RAÍSSA ZOGBI)

 



ESCRITO POR Raíssa Zogbi

COMPARTILHAR

COMENTÁRIOS

LEIA MAIS EM Business

3 de maio

Jornalismo de moda x coronavírus: sensibilidade ou alienação social?

Retrato social: análise semiótica do jornalismo de moda durante a pandemia.

por Andreia Meneguete Yasmin Carolino
15 de agosto

Quer estudar moda? As dicas do fundador do The Business of Fashion para os iniciantes

Insights para quem está começando na área

por Beatriz Mammana
10 de agosto

Belly Palma: “Posso fazer o que eu quiser e do meu jeito”

Influência ativista na internet: Izabelle Palma é a nova voz quando se fala em moda, diversidade e inclusão no Brasil

por Ivan Reis
21 de fevereiro

Betty Catroux, musa de Yves Saint Laurent, ganha exposição em Paris

Museu Yves Saint Laurent Paris inaugura exposição “Féminin Singulier” em homenagem a uma das musas do estilista,

por Guilherme de Beauharnais

ÚLTIMAS POSTAGENS

Arraste para o lado
20 de dezembro

Projeto 19M da Chanel: o fortalecimento do luxo

Com nova CEO na casa e inauguração oficial do projeto, a grife francesa promete enaltecer o artesanato de moda de luxo

por Júlia Vilaça
9 de dezembro

Jornalismo de Moda: e se a autora Clarice Lispector fosse capa da Vogue?

No mês que Clarice Lispector faria 100 anos, conheça a relação da escritora com o jornalismo de moda

por Ivan Reis
28 de agosto

Figurino do filme ‘Spencer’: o papel das marcas de moda no cinema

Filme sobre Lady Di traz figurino assinado por Chanel e mostra o poder das marcas nas narrativas em torno de biografias

por Carol Hossni
17 de agosto

O homem contemporâneo segundo Mário Queiroz

Análise de imagem: o professor e designer explica as transformações na moda masculina hoje

por Ivan Reis
10 de agosto

Vida em detalhes: na fila da vacina, vista sua esperança

Enquanto esperar é a única coisa que nos resta, as roupas moldam a cena de um futuro próxima que desejamos ter

por Ivan Reis
10 de agosto

Belly Palma: “Posso fazer o que eu quiser e do meu jeito”

Influência ativista na internet: Izabelle Palma é a nova voz quando se fala em moda, diversidade e inclusão no Brasil

por Ivan Reis
11 de junho

Moda e woke-washing: a mercantilização do corpo preto em um novo patamar

Jornalista Viviane Rocha relata o sequestro da humanidade das pessoas pretas

por Viviane Rocha
9 de junho

Semiótica da moda: análise do filme “Disturbing Beauty”, da Dior

Semioticista Clotilde Perez analisa os significados da beleza no novo filme da Dior

por Clotilde Perez