VOCÊ ESTÁ LENDO >> Marcas de moda criam aplicativos exclusivos para gerar vínculo com clientes
POR Zeinab Bazzi | 4 de junho

Grandes marcas estão enxergando a capacidade de novas tecnologias que potencializam o conhecimento de seu cliente final e a interação com ele – e investindo nelas. Como uma forma de conhecer melhor o que querem, quais seus gostos, e fazerem ainda mais parte de seu dia a dia (não somente em seus looks, mas também em sua rotina), gigantes da moda como Nike e Adidas estão lançando aplicativos exclusivos para clientes selecionados, onde estes têm acesso à coleções exclusivas, peças autografadas por famosos, interação com designers e também com outros grandes fãs dos produtos.

Inovação no Varejo de Moda com uso de dados

A inovação no varejo de moda vem em forma de novas comunidades que geram exclusividade para os clientes e dados para as empresas | Foto Franki Chamaki

Em entrevista ao The Business of Fashion, Mark Taylor, presidente de gestão de envolvimento com o cliente, na Capgemini Invent, disse que, ao apelar aos aplicativos, as marcas mexem também com o engajamento emocional e, consequentemente, aumentam seus lucros: “Clientes engajados não somente promovem a empresa entre sua família e amigos, trabalhando como embaixadores da marca, mas também gastarão até o dobro com elas.” De acordo com uma pesquisa feita pela Capgemini, que analisou a fidelidade de um cliente, um aplicativo pode ajudar uma empresa a crescer sua receita anual em 5%.

Além disso, é como se as marcas criassem um espaço que trouxesse uma sensação de intimidade e exclusividade, aplicativos como o da Target comprovam isso: cada designer da empresa tem sua própria conta no Studio Connect, onde podem perguntar aos usuários o que têm em mente. Em contrapartida, Katrina Lake, criadora do aplicativo de estilo pessoal online StitchFix, disse que “há uma diferença entre o que os clientes dizem que querem e o que eles realmente decidem comprar. Como moda e estilo podem ser incrivelmente diferentes é difícil aprender sobre o estilo da pessoa nas primeiras remessas.” Por isso, seu app faz uso de uso de dados coletados de seus clientes, como idade, estilo, compras passadas – isso, ao lado dos algoritmos, facilita na decisão dos designers sobre o que fica e o que sai.

Outros aplicativos, como o da Ralph Lauren, se expandiram e deixaram de estar disponíveis somente a um grupo seleto de clientes. Este também solicita o feedback de novos produtos, o que facilita a empresa para saber de opiniões sobre suas novidades – e, consequentemente, novas ideias sobre o que criar e quais bases manter.

O futurista canadense Doug Stephens fala um pouco sobre essa nova forma de fazer comércio – e interagir com seu cliente: “A pergunta que toda marca deveria estar fazendo é: como podemos identificar nossos clientes mais engajados? E posteriormente, como podemos fornecer para eles uma experiência em outro nível? Vendas não necessariamente contam toda a história sobre interação, e as empresas precisam ser mais criativas em como vão entrevistar conteúdo e experiência exclusiva para seus fãs.”

Os aplicativos já se mostrarão eficazes em tantas outras áreas – como o Uber no setor de mobilidade urbana. Será que esse é o momento para o mundo fashion se render à mais essa tendência e criar um elo mais próximo com seus melhores clientes?



ESCRITO POR Zeinab Bazzi

COMPARTILHAR

COMENTÁRIOS

LEIA MAIS EM Business

4 de outubro

Dominique Oliver, CEO da AMARO, entra na lista BoF 500

Pioneiro em inovação e estratégias de varejo, o empresário faz parte da lista dos 500...

por Zeinab Bazzi
21 de maio

Mentoria de carreira: processo de imersão e conquistas

Que tal começar a pensar em tirar seus planos do papel de um jeito que faz sentido para a sua evolução?

por Andreia Meneguete
10 de maio

Emily Weiss: o nome por trás do case de sucesso Glossier

Entenda como o site de beleza virou referência de sucesso e um negócio bem visto...

por Julia Groppo
16 de março

Curso de Moda em Londres pelo Instagram: um jeito de ter conteúdo, conhecimento na palma da mão

Já pensou em fazer um curso de moda em Londres sem precisar pegar um voo...

por Andreia Meneguete

ÚLTIMAS POSTAGENS

Arraste para o lado
20 de dezembro

Projeto 19M da Chanel: o fortalecimento do luxo

Com nova CEO na casa e inauguração oficial do projeto, a grife francesa promete enaltecer o artesanato de moda de luxo

por Júlia Vilaça
9 de dezembro

Jornalismo de Moda: e se a autora Clarice Lispector fosse capa da Vogue?

No mês que Clarice Lispector faria 100 anos, conheça a relação da escritora com o jornalismo de moda

por Ivan Reis
28 de agosto

Figurino do filme ‘Spencer’: o papel das marcas de moda no cinema

Filme sobre Lady Di traz figurino assinado por Chanel e mostra o poder das marcas nas narrativas em torno de biografias

por Carol Hossni
17 de agosto

O homem contemporâneo segundo Mário Queiroz

Análise de imagem: o professor e designer explica as transformações na moda masculina hoje

por Ivan Reis
10 de agosto

Vida em detalhes: na fila da vacina, vista sua esperança

Enquanto esperar é a única coisa que nos resta, as roupas moldam a cena de um futuro próxima que desejamos ter

por Ivan Reis
10 de agosto

Belly Palma: “Posso fazer o que eu quiser e do meu jeito”

Influência ativista na internet: Izabelle Palma é a nova voz quando se fala em moda, diversidade e inclusão no Brasil

por Ivan Reis
11 de junho

Moda e woke-washing: a mercantilização do corpo preto em um novo patamar

Jornalista Viviane Rocha relata o sequestro da humanidade das pessoas pretas

por Viviane Rocha
9 de junho

Semiótica da moda: análise do filme “Disturbing Beauty”, da Dior

Semioticista Clotilde Perez analisa os significados da beleza no novo filme da Dior

por Clotilde Perez