VOCÊ ESTÁ LENDO >> Alexandre, o Grande, do grupo Arezzo
POR Ana Paula Porto | 26 de abril

De pai pra filho. Foi assim que Alexandre Birman, nosso grande aqui, assumiu em 2013 a presidência da Arezzo, marca de varejo de sapatos femininos fundada por seu pai e tio, os irmãos Anderson e Jefferson lá na década de 70. Um patrimônio e tanto pra Alexandre que gosta de lembrar que foi “criado numa fábrica de calçados”, como ele mesmo diz em sua biografia no site da outra marca do grupo, que leva seu nome. Assim ele chega. Com bastão na mão pra dar continuidade ao legado deixado pela família e garantir o sucesso pra uma marca que já havia sido estabelecida no mercado.

O salto foi alto. E a passarela econômica – que mostrou tanta dificuldade pra lucrar com essa segurança toda ao fechar o ano de 2016 – veio pra aplaudir e abrir caminhos na trilha da rede de franquias. E tudo isso ultrapassando fronteiras, literalmente. Pois foi essa uma das principais transformações de Alexandre no comando da empresa: apostar no mercado externo e voar pelo mundo afora, sem deixar de perder seu espaço deslumbrante nas terras brasileiras.

Dentre as estratégias, o reforço do modelo assumido como “fast fashion” (rapidez nas coleções). Pra isso, em dois anos a Arezzo passou de 12 para 21 lançamentos ao ano. Além do controle de perto sobre os estoques de todos os franqueados e incentivar o sucesso também dos seus lojistas.  “Com isso, só abastecemos o que foi vendido e conseguimos aumentar o giro das coleções”, conta Birman com a ousadia que leva em entrevista à revista Época Negócios.

Outro grande passo foi expandir as marcas do grupo da Arezzo, que engloba a respeitada Schutz, AnaCapri, Alexandre Birman e Fiever. Hoje, estas marcas mais novas já representam quase metade do faturamento. E claro, o e-commerce de todas elas por aí. De acordo ainda com a revista Época Negócios, as vendas do online passaram de menos de 1% para 7% no final de 2016. Tudo isso sem deixar de estar consolidada no mercado nacional.

​E Alexandre tem ido longe. O começo disso foi abrir recentemente duas lojas da Schutz nos Estados Unidos, nas cidades americanas que sempre abraçam a moda: Nova York e Los Angeles, caindo na graça e calçando os pés das queridinhas de Beverly Hills e já dobrando as receitas (de 6% para 12% em três anos). Falando em pés bem calçados, as celebs que estiveram agora na festa de gala da amfAR (The Foundation for AIDS Research) contaram com a presença do CEO que levou sua marca homônima pra abrilhantar a noite e tinham Alexandre Birman em seus pés, muito bem confortáveis por sinal.



ESCRITO POR Ana Paula Porto

COMPARTILHAR

COMENTÁRIOS

LEIA MAIS EM Business

16 de março

Curso de Moda em Londres pelo Instagram: um jeito de ter conteúdo, conhecimento na palma da mão

Já pensou em fazer um curso de moda em Londres sem precisar pegar um voo...

por Andreia Meneguete
14 de agosto

Victoria’s Secret: marca não acompanhou as mudanças de uma geração

Entenda os problemas por trás do posicionamento da marca que ficou famosa pelo Victoria's Secret...

por Giovana Marques
7 de dezembro

5 dicas para produção de conteúdo digital por Vogue Brasil

Bloco de notas à mão e veja o que as editoras da revista têm a dizer sobre o jornalismo de moda online

por Ivan Reis
17 de março

Novidade na prateleira: A Economia da Moda pelo olhar do italiano Enrico Cietta

Porque hoje um bom modelo de negócios vale mais do que uma boa coleção”; o...

por Amanda Ravelli

ÚLTIMAS POSTAGENS

Arraste para o lado
28 de agosto

Figurino do filme ‘Spencer’: o papel das marcas de moda no cinema

Filme sobre Lady Di traz figurino assinado por Chanel e mostra o poder das marcas nas narrativas em torno de biografias

por Carol Hossni
17 de agosto

O homem contemporâneo segundo Mário Queiroz

Análise de imagem: o professor e designer explica as transformações na moda masculina hoje

por Ivan Reis
10 de agosto

Vida em detalhes: na fila da vacina, vista sua esperança

Enquanto esperar é a única coisa que nos resta, as roupas moldam a cena de um futuro próxima que desejamos ter

por Ivan Reis
10 de agosto

Belly Palma: “Posso fazer o que eu quiser e do meu jeito”

Influência ativista na internet: Izabelle Palma é a nova voz quando se fala em moda, diversidade e inclusão no Brasil

por Ivan Reis
11 de junho

Moda e woke-washing: a mercantilização do corpo preto em um novo patamar

Jornalista Viviane Rocha relata o sequestro da humanidade das pessoas pretas

por Viviane Rocha
9 de junho

Semiótica da moda: a sensibilidade penetrante de Dior em “Disturbing Beauty”

Semioticista Clotilde Perez analisa os significados da beleza no novo filme da Dior

por Clotilde Perez
22 de maio

Carreira fashion: o que é preciso saber sobre jornalismo de moda

Do impresso ao digital, a jornalista Andreia Meneguete analisa as transformações de um jornalismo que se reinventa no tempo 

por Ivan Reis
22 de maio

GQ Brasil comemora 10 anos com diversidade no lifestyle

Com capas estreladas por Ludmilla, Ronaldo e o empresário David Vélez, a revista reformula seu projeto editorial

por Ivan Reis