VOCÊ ESTÁ LENDO >> Para anotar: 5 insights de carreira com o PUSH
POR Monalisa Cardoso | 9 de fevereiro

Em novembro passado rolou em São Paulo, na Casa das Caldeiras, a terceira edição do @push, evento voltado para mulheres que querem tirar suas ideias do papel. O foco é empreendedorismo e empoderamento feminino.

Reunindo mulheres incríveis que conquistaram o seu espaço de liderança no mercado de trabalho, muitas experiências foram compartilhadas.

O IAM uma lista com 5 insights para você aplicar já no seu plano de carreira. Confira:

1 – Pare com a autossabotagem

O primeiro painel contou com Suelen Marcolino, gerente de relacionamento do Linkedin. Marcolino abordou a exigência das mulheres com elas mesmas e sua falta de confiança, o que faz com que se candidatem 5% menos do que os homens a vagas de emprego.

De acordo com a gerente, elas estão 16% menos propensas a se candidatar para uma vaga após ler a descrição do trabalho. Além disso, mulheres recrutadoras clicam 13% menos em perfis femininos.

Para construir, é necessário, antes de qualquer coisa, liderar seus pensamentos. Acreditar no seu potencial e também no da amiga é a chave para que o espaço feminino seja cada vez mais fortalecido.

O PUSH tem o objetivo de fomentar e auxiliar a carreira de mulheres em diferentes campos de atuação. Ilustração: PUSH

2 – Tire sua ideia do papel

Manuela Bordash e Catharina Dieterich, fundadoras do PUSH, contaram um pouco da história da sua parceria e deram algumas dicas para quem sonha em ver a sua carreira decolar.

E todos os conselhos partiram da palavra CORAGEM!

Qualquer jornada é iniciada com o primeiro passo, então, não tenha medo de começar. Muito se fala sobre encontrar propósito, o que é extremamente válido, mas está tudo bem não ter totalmente esclarecido desde o início o que ele é para você.

É possível moldá-lo com a caminhada, afinal, mudar faz parte de qualquer processo, não é mesmo?

3 – A curiosidade pode ter matado o gato, mas talvez te transforme em CEO

O mercado muda todos os dias e hoje, curiosidade é sinônimo de adaptação. Só descobre novas plataformas, estratégias e meios de ação (e comunicação!) quem busca e pesquisa.

A história da comunicação é marcada por novas criações tecnológicas, sobre as quais sempre ouvimos as mesmas coisas:

“O rádio vai destruir impresso”

“A TV vai derrubar o rádio”

“A internet vai acabar com todo mundo”

Nenhum desses meios deixou de existir, pois se adaptaram o suficiente para permanecer no mercado, buscando alternativas e estratégias criadas por pessoas curiosas o bastante para fazer acontecer.

Estar com a mente aberta para o novo é essencial. “Para trabalhar com comunicação, você não pode ter preconceito”, afirmou Ana Zambom, Head de Comunicação da Taste Makers.

4 – Não se compare

Segundo dados da WGSN, o Brasil é o país mais ansioso do mundo.

Vidas perfeitas, viagens internacionais, os melhores restaurantes, relacionamentos de conto de fadas… é basicamente a descrição do seu feed, não é mesmo?

Se você já se sentiu mal vendo uma foto ou vídeo de uma influenciadora ou amiga, você passou pelo FOMO (fear of missing out – “medo de estar perdendo algo”).

Algumas vezes, o conteúdo não é de uma influenciadora famosa com a sua nova bolsa da Chanel, mas da sua colega do ensino médio, que te faz questionar as suas escolhas e configuração de vida. O primeiro passo é fazer um detox de redes sociais, dar aquela “limpa” na lista de pessoas que você segue e analisar quem te faz bem e inspira, quem te traz boas sensações, reflexões e informações.

Além disso, faça uma reflexão e entenda o motivo daquilo te incomodar. Às vezes (quase sempre) a carga não está no outro.

Somos únicas e singulares! Não permita que sua mente te compare com alguém pelas redes sociais ou até mesmo no mundo offline (lembra dele?). Não se compare.

Repetindo: não se compare!

5 – Força feminina

As mulheres só tendem a crescer no mercado de trabalho, seja empreendendo ou não.

Empreendedorismo não é apenas “abrir um negócio”, mas mergulhar de cabeça em um trabalho (mas lembra de descansar e que trabalho é uma parte da vida!).

Se possível, se envolva com algo que você acredita, que esteja alinhado com os seus valores, e vá com todo o fogo e calma.



ESCRITO POR Monalisa Cardoso

COMPARTILHAR

COMENTÁRIOS

LEIA MAIS EM Business

26 de abril

Alexandre, o Grande, do grupo Arezzo

O caminho de sucesso do CEO da Arezzo&Co que comanda há quatro anos a corporação...

por Ana Paula Porto
21 de maio

Mentoria de carreira: processo de imersão e conquistas

Que tal começar a pensar em tirar seus planos do papel de um jeito que faz sentido para a sua evolução?

por Andreia Meneguete
10 de fevereiro

Por trás das lentes de Caíto Maia

Simples assim: um banquete de óculos, acompanhado de uma fartura de relógios tudo sob o...

por Raíssa Zogbi
22 de agosto

Foco fashion: YouTube cria estratégia de Moda e beleza

Com o objetivo de elaborar conteúdos para mais de 2 bilhões de usuários, YouTube monta...

por Zeinab Bazzi

ÚLTIMAS POSTAGENS

Arraste para o lado
20 de dezembro

Projeto 19M da Chanel: o fortalecimento do luxo

Com nova CEO na casa e inauguração oficial do projeto, a grife francesa promete enaltecer o artesanato de moda de luxo

por Júlia Vilaça
9 de dezembro

Jornalismo de Moda: e se a autora Clarice Lispector fosse capa da Vogue?

No mês que Clarice Lispector faria 100 anos, conheça a relação da escritora com o jornalismo de moda

por Ivan Reis
28 de agosto

Figurino do filme ‘Spencer’: o papel das marcas de moda no cinema

Filme sobre Lady Di traz figurino assinado por Chanel e mostra o poder das marcas nas narrativas em torno de biografias

por Carol Hossni
17 de agosto

O homem contemporâneo segundo Mário Queiroz

Análise de imagem: o professor e designer explica as transformações na moda masculina hoje

por Ivan Reis
10 de agosto

Vida em detalhes: na fila da vacina, vista sua esperança

Enquanto esperar é a única coisa que nos resta, as roupas moldam a cena de um futuro próxima que desejamos ter

por Ivan Reis
10 de agosto

Belly Palma: “Posso fazer o que eu quiser e do meu jeito”

Influência ativista na internet: Izabelle Palma é a nova voz quando se fala em moda, diversidade e inclusão no Brasil

por Ivan Reis
11 de junho

Moda e woke-washing: a mercantilização do corpo preto em um novo patamar

Jornalista Viviane Rocha relata o sequestro da humanidade das pessoas pretas

por Viviane Rocha
9 de junho

Semiótica da moda: análise do filme “Disturbing Beauty”, da Dior

Semioticista Clotilde Perez analisa os significados da beleza no novo filme da Dior

por Clotilde Perez